maior provedor de backup vaza dados

Violação de dados custa R$ 6,45 milhões no Brasil

Da Redação
22/08/2022

As violações de dados estão mais caras e impactantes do que nunca, cada uma custando no Brasil, em média, R$ 6,45 milhões. A informação é do relatório anual Cost of a Data Breach Report, publicado pela IBM, e representa o custo mais elevado dessa série de documentos.

No país, com os custos de violação aumentando quase 10% nos últimos dois anos do relatório, as descobertas sugerem que esses incidentes também podem estar contribuindo para o aumento dos custos de bens e serviços. De fato, 60% das organizações globalmente aumentaram os preços de seus produtos ou serviços devido a um vazamento, em um momento em que o custo das mercadorias já está disparando em todo o mundo devido a questões como inflação, problemas na cadeia de suprimentos, entre outras. Além disso, 83% das organizações em todo o mundo sofreram mais de uma violação de dados desde o início de suas operações. O relatório “Cost of a Data Breach 2022” – patrocinado pela IBM Security e conduzido pelo Ponemon Institute – é baseado em uma análise aprofundada de violações de dados reais enfrentadas por 550 organizações em todo o mundo, incluindo 43 empresas no Brasil, entre março de 2021 e março de 2022.

Veja isso
Costa Rica: ransomware ameaça todo o setor econômico
Porto de Los Angeles sofre mais de 40 milhões de ataques por mês

Algumas das principais descobertas sobre as empresas no Brasil incluem:

  • O tempo médio para identificar e conter uma violação de dados foi de 347 dias em 2022, uma redução de 49 dias em relação ao ano anterior. Empresas com ciclo de vida de violação superior a 200 dias têm um custo médio superior a R$ 7,71 milhões em comparação com aquelas com menos de 200 dias: R$ 5,19 milhões.
     
  • 44% das empresas têm um nível maduro de adoção de uma abordagem Zero Trust. Aqueles que não adotaram essa estratégia enfrentam custos médios de violação de dados de R$ 6,69 milhões de reais, superiores ao custo médio do país.
     
  • No Brasil, a configuração incorreta de nuvem é o vetor mais comum (18%), com custo médio de R$ 5,98 milhões de reais. Seguido por credenciais comprometidas (16%) com R$ 6,90 milhões de reais e phishing (15%), com R$ 6,73 milhões.
     
  • Do ponto de vista do maior custo médio por tipo de vetor, vulnerabilidade em software de terceiros aparece com R$ 7,52 milhões, com frequência de 11% nas violações estudadas.
     
  • Globalmente, um número significativo de 43% das organizações afirmaram que estão apenas nos estágios iniciais ou não começaram a implementar práticas de segurança para proteger seus ambientes de nuvem. No Brasil, as empresas com maior maturidade na segurança em um ambiente de nuvem economizaram R$ 1,16 milhão em comparação com aquelas que não começaram a implementar práticas de segurança em seus ambientes de nuvem.
     
  • As empresas brasileiras com uma abordagem de nuvem híbrida conseguiram identificar e conter violações de dados 52 dias mais rápido do que a média do país (295 dias no total). Essas organizações também exigiram menos tempo para identificar e conter uma violação em comparação com aquelas com modelo de nuvem exclusivamente privada (41 dias a menos) e pública (68 dias a menos).
     
  • Empresas com mais de 50% de seus funcionários trabalhando remotamente levaram 14 dias a mais que a média nacional para identificar e conter uma violação (361 dias no total).
     
  • Apenas 25% das empresas no Brasil possuem automação de segurança totalmente implementada, essencial para redução de custos. Globalmente, as organizações que implementaram segurança com automação e inteligência artificial (IA) tiveram um custo médio menor e alcançaram uma economia de 65,2% em comparação com aquelas que não o fizeram – a maior economia de custos observada no estudo. Além disso, seu tempo de detecção e contenção é melhor: 2,5 meses mais rápido.
     
  • Três fatores principais que amplificam o custo de uma violação de dados: complexidade do sistema de segurança, falta de habilidades de segurança e falhas de conformidade. Por outro lado, os três principais fatores mitigadores de custos são formação da equipe de Resposta a Incidentes, participação no compartilhamento de ameaças e implementação de uma plataforma de IA.
     
  • Pelo 12º ano consecutivo, os participantes da área de saúde obtiveram as violações mais caras entre os setores em todo o mundo. No Brasil, os setores com maior custo de violação de dados por registro são serviços financeiros (R$ 654), serviços (R$ 650) e saúde (R$ 600).

O relatório completo está em “https://www.ibm.com/security/data-breach”

Compartilhar: