Congresso americano frita presidente da Microsoft

Da Redação
16/06/2024

Quase um ano após a descoberta de que hackers chineses haviam invadido emails do governo, o CEO da Microsoft, Brad Smith, foi ao Congresso no dia 16, quinta-feira, dar as explicações devidas aos políticos e ao país, numa sessão em que o tratamento a ele oscilou entre interpelações bem educadas e falas visivelmente irritadas por parte dos legisladores. Smith foi pressionado sobre vários aspectos relacionados ao incidente, entre os quais o da descoberta da invasão, feita pelo Departamento de Estado. Smith sugeriu que os funcionários que descobriram a violação deveriam receber medalhas, ao que o deputado Bennie Thompson (Democrata do Mississipi) respondeu: “Não é nosso trabalho encontrar os culpados. É para isso que estamos pagando”, relatou o Wall Street Journal [ sem paywall em https://archive.ph/poXht].

Veja isso
França acusa chineses de tentativa de hack por roteadores
China acusa NSA de atacar academia aeroespacial

Smith foi ao Congresso determinado a reconquistar a confiança dos legisladores, segundo o portal Politico, mas pode não ter conseguido. Vários legisladores do Comitê de Segurança Interna da Câmara pressionaram Smith sobre se ele estava sendo transparente sobre a resposta da empresa à violação, outras falhas de segurança recentes e a continuidade de seus negócios na China.

Os legisladores passaram quase três horas interrogando o presidente da Microsoft. A audiência ocorreu no mesmo dia que uma nova investigação do portal ProPublica detalhou de que modo um denunciante descobriu uma falha crítica de segurança anos antes que hackers russos a explorassem no incidente da SolarWinds. Um legislador até disse a Smith durante a audiência que funcionários do Pentágono e outras agências tornaram-se cautelosos ao usar o Microsoft Teams por questões de segurança.

“Sinto muito, por algum motivo, simplesmente não confio no que você está me dizendo”, disse o deputado Carlos Gimenez (Republicano, Flórida) a Smith, durante uma discussão acalorada sobre se o trabalho da Microsoft na China deixa a empresa mais vulnerável aos serviços de inteligência do país.

Compartilhar: