Conferência de ciberdefesa recomenda colaboração e comunicação

II Conferência de Defesa Cibernética da Fundação Interamericana de Defesa foi virtual e contou com 800 participantes
Da Redação
30/09/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Terminou ontem, 29 de setembro de 2020, a II Conferência de Defesa Cibernética, encontro (virtual) promovido pela Fundação Interamericana de Defesa (IADF da sigla em inglês) e pela Junta Interamericana de Defesa (JID), com o apoio do Governo do Canadá. Durante dois dias – 28 e 29 -, representantes de paises de toda a América discutiram a criação de uma estrutura para a cooperação hemisférica em defesa cibernética.

A II Conferência de Defesa Cibernética reuniu mais de 800 autoridades militares, governamentais, acadêmicas e do setor privado. Outras organizações participantes foram a OTAN, o Fórum Econômico Mundial, a INTERPOL e a ONU.

Veja isso
Exército estenderá para SP exercício de ciberdefesa
Orçamento dos EUA para ciberdefesa alcança US$ 9,8 bilhões

O evento foi aberto com palestras do general de divisão Luciano José Penna, do Exército do Brasil, que atualmente preside o Conselho Interamericano de Defesa; almirante Craig S. Faller, comandante do Comando Sul dos Estados Unidos; e Jennifer Loten, CEO do Bureau de Crime Internacional e Terrorismo, Global Affairs Canada. Entre os palestrantes esteve também o general de divisão Guido Amin Naves, Comandante de Defesa Cibernética do Exército.

O general Paul Nakasone, comandante do Comando Cibernético dos Estados Unidos, apresentou a sessão plenária intitulada “Cumprimento da Missão no Novo Normal”. Sergio de la Peña, subsecretário para Assuntos do Hemisfério Ocidental, e Thomas Wingfield, subsecretário para Política Cibernética,, ambos do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, lideraram um painel sobre como aumentar a resiliência cibernética no hemisfério ocidental.

A conferência de 2020 revisou e expandiu os principais tópicos delineados durante a primeira conferência, que aconteceu em 14 e 15 de maio de 2019 em Bogotá (Colômbia) – entre os quais continuar a promover discussões multilaterais, bilaterais e nacionais de defesa cibernética. Essas discussões têm como objetivo informar a estratégia e a tomada de decisões nos mais altos níveis do hemisfério ocidental e construir uma abordagem de defesa cibernética coletiva.

Os principais objetivos da conferência são:

1.     Fortalecer as estratégias de defesa cibernética e a capacidade de resposta no hemisfério ccidental;

2.     Melhorar a colaboração, a comunicação e o compartilhamento de informações dentro e entre instituições militares e governos nas Américas;

3.     Promover interesses multilaterais;

4.     Fortalecer relacionamentos e promover o aprendizado; e

5.     Apoiar o estabelecimento da estrutura para cooperação em defesa cibernética nas Américas.

“A defesa cibernética representa, ao mesmo tempo, a maior ameaça e também a maior oportunidade de cooperação no hemisfério ocidental”, disse o tenente-general Luciano José Penna, presidente da Junta Interamericana de Defesa. Acrescentou que “a IADF e a JID continuarão a atuar como catalisadores para fortalecer relacionamentos, promover interesses multilaterais, compartilhar melhores práticas e aprender de aliados e parceiros. Como parte do nosso Programa de Defesa Cibernética, a conferência 2020 busca encorajar a colaboração para reforçar as capacidades de defesa cibernética e promover a segurança regional inclusiva.”

O Governo do Canadá e o Comando Sul dos EUA também reiteraram a importância de trabalhar com parceiros e aliados em todo o hemisfério ocidental, afirmando que a segurança cibernética é “um esporte de equipe”: “As autoridades hemisféricas têm a responsabilidade coletiva de colaborar na defesa cibernética hemisférica”, disse Marc Asturias, VP de marketing, comunicações, relações públicas e assuntos governamentais da Fortinet, e palestrante do evento. “Os fóruns colaborativos, como a Conferência de Defesa Cibernética da IADF, permitem que líderes militares, civis e da indústria em toda a região compartilhem percepções únicas e desenvolvam estratégias coletivas para lidar com ameaças cibernéticas, que estão entre os maiores desafios à segurança na era digital de hoje”.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest