online-shopping-4532460_1280.jpg

Compras fraudulentas online caíram 18% em 2020 no Brasil

Tentativas de fraude no comércio eletrônico brasileiro passaram de 2,52% dos pedidos em 2019 para 2,07% durante o ano passado
Da Redação
11/02/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

A taxa de tentativas de fraude no comércio eletrônico brasileiro diminuiu de 2019 para 2020: passou de 2,52% para 2,07% dos pedidos (queda próxima de 18%), segundo o relatório Raio-x da Fraude, elaborado pela empresa de proteção a fraudes Konduto. Foram analisados no ano passado 244 milhões de pedidos, 74 milhões a mais que em 2019.  “2020 foi um ano atípico.  As pessoas tiveram que realizar as compras pela internet e isso aumentou significativamente o faturamento do e-commerce. O fato de o número ter caído, mesmo com o aumento de compras pela internet, mostra que as tecnologias antifraude estão mais eficientes. E que comprar e vender on-line está cada dia mais seguro no Brasil”, comentou, Tom Canabarro, CEO e cofundador da Konduto.

Veja isso
Perda global com fraude em e-commerce atingirá US$ 25 bilhões até 2024
As fraudes que rondam os usuários do PIX

Em 2020, a Konduto processou 7,7 pedidos a cada segundo, que totalizaram R$ 35 bilhões em compras em mais de 27 mil lojas em todo o Brasil e América Latina. Os bloqueios de fraudes feitos pela empresa evitaram um prejuízo estimado em R$ 1,3 bilhão. Mesmo com o aumento das compras on-line, o crescimento na quantidade de vendas por links de pagamento mostra que os varejistas que só vendiam fisicamente se adaptaram rapidamente para vender por WhatsApp, smartphone, entre outras formas não tradicionais, diz o relatório.

A previsão do relatório Raio-x do ano passado de que os fraudadores estavam migrando para o mobile confirmou-se no levantamento deste ano. Pela primeira vez, as tentativas de fraudes realizadas por dispositivos móveis foram maiores do que as feitas por desktop: em 2019, o número de pedidos ilegítimos no mobile era de 47% do total, enquanto em 2020, esse número subiu para 62,04%, ultrapassando o dos computadores que foi de 37,96%. Entre os sistemas operacionais mais utilizados estão: Android (43,87%), Windows (35,02%) e iOS (18,17%).

O estudo também aborda o comportamento dos fraudadores no ambiente on-line. De acordo com o estudo, os golpistas trabalham mais nos horários comerciais e realizam mais transações em dias de semana. O período com maior índice de pedidos ilegítimos ocorreu entre às 12h e 17h50 com 37,12%, seguido do das 18h às 23h59 com 34,64% e cai drasticamente nos finais de semana e madrugadas. Às quartas-feiras são os dias em que os fraudadores agem com maior frequência.

“Os resultados de 2020 comprovam que os estelionatários se comportam como compradores legítimos para tentar burlar os sistemas antifraudes. Mas, ao mesmo tempo, os profissionais dessa área estão cada vez mais preparados. E mesmo com quase 70% de aumento nos pedidos, foi possível diminuir a quantidade de tentativas de fraude neste ano”, finaliza Canabarro.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Inscrição na lista CISO Advisor

* campo obrigatório