Complexidade da TI já é preocupação número 2

Transformações causadaspelo trabalho híbrido tornaram nos últimos dois anos a TI mais complexa, exigindo mais verbas para a sua proteção
Da Redação
12/11/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

A necessidade de investimentos para proteger ambientes cada vez mais complexos é agora o segundo maior desafio dos líderes de TI em 2021, segundo o mais recente relatório da Kaspersky sobre “Economia da segurança de TI”. A preocupação ocupava o terceiro lugar no ano passado e era a sexta posição há três anos. Com o aumento da transformação digital, o trabalho remoto e o uso de aplicações em nuvem, essa complexidade pode afetar a visibilidade das ameaças e a resposta a incidentes das organizações latinas.

Nos dois últimos anos, as empresas tiveram de garantir a segurança de inovações e mudanças, que se tornaram um verdadeiro desafio para quase metade (42%) delas no Brasil (e 44% na América Latina). Nesse contexto, o custo de proteger ambientes complexos se tornou mais importante do que garantir a conformidade com políticas de segurança – preocupação que esteve em segundo lugar nos últimos dois anos. Liderando novamente o ranking está a proteção de dados, tema que está à frente da lista das equipes de segurança há muitos anos.

Veja isso
Segurança em nuvem enfrenta desafios pela complexidade e shadow IT
4 previsões do Gartner que os CIOs devem estar atentos

“Quando se trata de cibersegurança para empresas, a questão não está relacionada apenas às ciberameaças que evoluem continuamente. Uma infraestrutura corporativa de TI heterogênea e que muda constantemente aumenta ainda mais os riscos. Por um lado, isso complica o processo de proteção propriamente dito; pelo outro, as consequências de um ciberataque bem-sucedidos podem ser muito mais difíceis de resolver. Felizmente, o setor de cibersegurança evolui continuamente. O uso de inteligência de ameaças recentes (Threat Intelligence) e as novas tecnologias de detecção e respostas (EDR) devem ajudar as empresas a superarem os desafios durante o processo de inovação”, diz Roberto Rebouças, gerente executivo da Kaspersky no Brasil.

Com informações da assessoria de imprensa

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

ATENÇÃO: INCLUA [email protected] NOS CONTATOS DE EMAIL

(para a newsletter não cair no SPAM)