logo-2297855_1920.jpg

Começou exercício cibernético da Otan na Estônia

O Locked Shields é o exercício internacional de defesa cibernética mais complexo do mundo, e que oferece o desafio técnico de ataques ao vivo
Da Redação
20/04/2022

Começou hoje e prossegue até o dia 22 de Abril o Locked Shields, atualmente o maior exercício de defesa cibernética, organizado pelo CCDCOE, oo Cooperative Cyber Defence Centre of Excellence da Otan, sediado em Tallin, capital da Estônia.

O exercício é anual e organizado pelo CCDCOE desde 2010. Ele permite que mais de 2 mil especialistas em segurança cibernética de 30 países aprimorem suas habilidades na defesa de sistemas nacionais de TI e infraestrutura crítica sob ataques em tempo real. O foco está em cenários realistas, tecnologias de ponta e simulando toda a complexidade de um incidente cibernético massivo, incluindo tomadas de decisão estratégicas, aspectos jurídicos e de comunicação.

Veja isso
OTAN abre conversações sobre o uso de IA em armamentos
ONU e OTAN sofrem ataque cibernético e têm dados vazados

O exercício é baseado em confrontos de Red Teams vs. Blue Teams. Os Blues são formados por nações membros do CCDCOE. Em 2021, havia 22 Blue Teams participando, com uma média de 40 especialistas em cada equipe. As equipes assumem o papel de equipes nacionais de reação cibernética rápida, que são implantadas para ajudar um país fictício a lidar com um incidente cibernético de grande escala com todas as suas implicações. O exercício de 2021 envolveu cerca de 5 mil sistemas virtualizados, que foram alvos de mais de 4 mil ataques. As equipes devem ser eficazes na comunicação de incidentes, na execução de decisões estratégicas e na resolução de desafios forenses, legais e de mídia. Para acompanhar os desenvolvimentos tecnológicos, o Locked Shields se concentra em cenários realistas e tecnologias de ponta, redes relevantes e métodos de ataque.

Um dos participantes brasileiros é a empresa Atech, subsidiária da Embraer. Na verdade, é a única empresa brasileira convidada, e que participou também do exercício de 2021. A Atech levou ao exercício um sistema de comando e controle para defesa antiaérea, que trata as informações de sensores e permite ao operador a tomada de decisões em diferentes níveis: operacional, tático e estratégico, através da visualização situacional dos eventos apresentados na tela. A Atech tem desenvolvido e implantado esse tipo de sistema no território nacional e em outros países da América do Sul e da África. Em sua primeira participação, a Atech foi a única a fornecer um sistema com características militares para o exercício. 

“É um ambiente em estado da arte, com o que há de mais novo no mundo em termos de tecnologia para segurança cibernética. Esta será a nossa segunda participação no Locked Shields, a primeira foi no ano passado. Em ambas, a Atech foi convidada pelo CCDCOE para colaborar com o exercício, o que é uma honra para todos nós da empresa, um reconhecimento de nossas capacidades neste segmento”, disse Andersonn Kohl, gerente comercial da Atech.

Assista e entenda como é o exercício

Compartilhar:

Últimas Notícias