fingerprint-979598_1280.jpg

Colher digitais custará US$ 228 mi a ferrovia dos EUA

Da Redação
13/10/2022

A ferrovia BNSF, dos EUA, terá de pagar US$ 228 milhões de indenização a 45.600 caminhoneiros pela colheita não autorizada de suas impressões digitais, para autorizá-los a entrar no pátio ferroviário na área de Chicago, por decisao judicial. A BNSF opera uma das maiores redes ferroviárias de carga da América do Norte.

Veja isso
Ciberataque bloqueia tráfego da maior ferrovia italiana
Brasileiro descobre falha que permite DDoS extremo

Os caminhoneiros que desejavam entrar no pátio de manobras da BNSF em Illinois foram obrigados a fornecer suas impressões digitais para coletar ou entregar a carga. Segundo um caminhoneiro, a empresa ferroviária não informou por que as impressões digitais foram armazenadas ou como foram armazenadas e destruídas. Ao fazer isso, a BNSF violou a Lei de Privacidade de Informações Biométricas de Illinois, de acordo com o motorista que iniciou uma ação coletiva. As leis de privacidade de Illinois impõem requisitos rígidos sobre o processamento de dados biométricos. Por exemplo, o consentimento por escrito deve ser obtido antes que esses dados possam ser processados. A BNSF não tinha essa permissão.

De acordo com o júri, de 4 de abril de 2014 a 25 de janeiro de 2020 a empresa ferroviária violou a legislação de privacidade quase 46.000 vezes. A multa máxima de US$ 5.000 foi estabelecida para cada violação, elevando o total para US$ 228 milhões, informou a CBS News. A BNSF planeja apelar, disse a Bloomberg Law.

Compartilhar: