ciso.jpg

CISOs estão vivendo com altos níveis de estresse e desgaste físico

Da Redação
06/02/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Pesquisa revela que o estresse no trabalho tem impacto prejudicial à saúde física e mental dos diretores de segurança da informação e afeta o relacionamento com suas famílias

ciso.jpg

Embora o trabalho de um diretor de segurança da informação (CISO) possa ser emocionante e gratificante, ele geralmente é marcado por altos níveis de estresse e desgaste físico. Evidências disso são abundantes. Em abril de 2019, uma pesquisa da Symantec revelou que 82% dos líderes de segurança de TI na Europa estavam sofrendo de desgaste mental e físico, com quase dois terços pensando em deixar o emprego (64%) ou em deixar o setor por completo (63%).

No início daquele ano, um relatório da Nominet descobriu que 27% dos CISOs sentiam que o estresse estava afetando sua saúde mental ou física, com 23% dizendo que a função estava prejudicando seus relacionamentos pessoais. Além disso, 17% admitiram ter recorrido a medicamentos ou álcool para lidar com o estresse no local de trabalho.

Agora, uma nova pesquisa da empresa revela que o problema está se intensificando. A Nominet entrevistou 400 CISOs e 400 C-levels (CEOs, CIOs, CTOs, etc.) no Reino Unido e nos Estados Unidos sobre os desafios da função e compilou as descobertas no “Relatório de Estresse CISO: Vida dentro do perímetro, um ano depois”. O novo estudo ampliou o relatório da Nominet do ano anterior e analisou mais profundamente as causas e o impacto do estresse nos CISOs.

Uma das constatações é que a grande maioria dos CISOs (88%) permanece moderada ou tremendamente estressada. E, embora isso represente uma ligeira queda em relação aos 91% de 2019, o estresse parece estar afetando mais a vida dos CISOs.

Por exemplo, 48% dos CISOs disseram que o estresse no trabalho tem impacto prejudicial à saúde mental (quase o dobro do ano passado), enquanto 31% relataram que o estresse afetou a saúde física. Além disso, 40% dos CISOs admitiram que os níveis de estresse afetaram seus relacionamentos com família, com pouco menos de um terço (32%) afirmando que isso teve repercussões no casamento, nos relacionamentos amorosos e nas amizades (acima de 23%). Em termos de mecanismos de enfrentamento, o número de CISOs que recorrem à mediação ou ao álcool como resultado do estresse aumentou para 23%.

Quase três quartos (71%) dos CISOs disseram que seu equilíbrio entre vida profissional e pessoal era muito pesado em relação ao trabalho, com 95% trabalhando mais do que o horário semanal contratado (algo que 87% dos CISOs se sentiu obrigado a fazer por sua organização). Cerca de 83% admitiram passar metade da noite e nos fins de semana pensando em trabalho, com apenas 2% declarando que se desligam do trabalho fora do escritório. Curiosamente, quase todos os CISOs pesquisados ​​ (90%) optariam por um corte salarial se melhorasse seu equilíbrio entre vida profissional e pessoal.

O relatório da Nominet também descobriu que 31% dos CISOs — um aumento de 2% em relação ao ano passado — sentem que o impacto do estresse afetou sua capacidade de realizar seu trabalho. Isso pode estar causando impactos negativos nas organizações como um todo, sem mencionar o fato de que o tempo médio de um CISO no cargo é de pouco mais de dois anos.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest