Cibercrime russo busca novos meios de lavar dinheiro

Da Redação
26/04/2022

Os cibercriminosos baseados na Rússia estão buscando novas maneiras de lavar o dinheiro obtido em suas operações ilegais, entre elas os ataques de ransomware. De acordo com um relatório da Flashpoint, como alternativa eles começaram a usar sistemas de pagamento chineses, incluindo bancos e o serviço Union Pay. No entanto, a Union Pay já está considerando a possibilidade de bloquear usuários da Federação Russa.

O bloqueio de transferências de dinheiro através da Western Union e do MoneyGram tornou a vida mais difícil para os golpistas e extorsionários que usam esses serviços para receber pagamentos anonimamente de suas vítimas.

Veja isso
Coreia do Norte sofisticou a lavagem de criptomoedas
Israelense residente no Brasil ajudou a lavar dinheiro via dark web

Devido ao bloqueio do SWIFT na Rússia e sanções contra os bancos russos, os cibercriminosos começaram a lavar dinheiro através de bancos na Armênia, Vietnã e China, onde as sanções não foram impostas. As exchanges de criptomoedas que solicitam dados pessoais a seus usuários, mesmo aqueles que operam na Federação Russa, não são adequadas para os cibercrimiinosos, já que precisam de anonimato. Assim, a única saída disponível são os mixers ou tumblers de criptomoedas e os seus serviços de saque.

Como os serviços de lavagem de dinheiro perderam a capacidade de anunciar seus serviços no Hydra Market depois que ele foi fechado, o cibercrime precisou se limitar a transações menores e não confiáveis. De acordo com a Flashpoint, devido à situação atual alguns cibercriminosos decidiram adiar a retirada de fundos e começaram a investir em ouro e armazenar criptomoedas em carteiras offline.

No entanto, é improvável que a situação afete a atividade dos hackers que buscam ganhos financeiros. Cibercriminosos de baixo nível e hackers inexperientes sofrerão mais, mas os canais privados de lavagem de dinheiro de cibercriminosos de alto perfil provavelmente continuarão operando estima o relatório da Flashpoint.

Compartilhar: