CGI.br publica nota em defesa do uso da criptografia

Da Redação
24/11/2019
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Entidade se alinha com movimento mundial contra governos que pedem ao Facebook a instalação de backdoors em seus serviços de mensagens, inclusive no WhatsApp

O CGI.br, Comitê Gestor da Internet no Brasil, publicou na tarde da última sexta-feira uma “nota pública em defesa do uso de criptografia em sistemas e dispositivos conectados à Internet”. Segundo a assessoria de comunicação do órgão, essa manifestação do CGI.br segue “um movimento internacional. Outras entidades já se manifestaram sobre o assunto”. A razão mais evidente para a publicação é o fato de que no dia 4 de Outubro representantes dos governos da Austrália, Estados Unidos e Reino Unido publicaram uma carta aberta dirigida a Mark Zuckerberg, o ‘dono’ do Facebook, pedindo acesso com ‘backdoor’ a todas as mensagens criptografadas enviadas em todas as plataformas da empresa – principalmente o Messenger e o WhatsApp.

Na carta, esses três governos pediram a Zuckerberg que detenha o plano do Facebook de introduzir criptografia de ponta a ponta em todos os produtos de mensagens da empresa e, em vez disso, prometa que “permitirá que a aplicação da lei obtenha acesso legal ao conteúdo de maneira legível e em formato utilizável “. O que em outras palavras é backdoor. No mundo inteiro há, de fato, manifestações contrárias ao pedido desses governos. A do CGI.br é a seguinte:

“O COMITÊ GESTOR DA INTERNET NO BRASIL – CGI.br, no uso das atribuições que lhe confere o Decreto nº 4.829/2003, tendo em vista a frequente divulgação de iniciativas recentes que buscam criar acesso privilegiado a conteúdo de comunicações privadas em sistemas digitais, seja através de mecanismos, processos ou ferramentas que implementem vulnerabilidades ou mesmo que corrompam sistemas criptográficos; seja através do desincentivo ou dificultação do uso de criptografia, e

CONSIDERANDO

• Que o uso de criptografia forte é essencial para que fluxos de informação se estabeleçam de forma segura e confiável na Internet, não somente para usuários individuais, como também para empresas e órgãos públicos;

• Que a proteção de tais fluxos se encontra regulada em legislação ordinária (Lei 10.406 de 10 de janeiro de 2002 – Código Civil Brasileiro; Lei 12.965 de 23 de abril de 2014 – Marco Civil da Internet, seu Decreto regulamentador nr. 8.771/2016, art. 13, inc. IV; e Lei 13.709 de 14 de agosto de 2018 – LGPD, Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, entre outras), e consta também dos “Princípios para a Governança e Uso da Internet” definidos pelo CGI.br, em especial o princípio da liberdade, privacidade e direitos humanos, conforme expresso na Resolução CGI.br/RES/2009/003/P ;

VEM A PÚBLICO

• Reafirmar a importância de se garantir a possibilidade de implementação livre e adequada de criptografia forte fim a fim, tanto para a proteção do sigilo de dados e comunicações, como para o exercício de direitos previstos na Constituição Federal e leis infraconstitucionais;

• Reafirmar que uma eventual implementação de mecanismos de acesso privilegiado por meio de ferramentas tais como “backdoors” ou “chaves-mestras”, além de poder ser inócua ante intransponibilidades de ordem técnica para a obtenção da mensagem original, pode também representar riscos maiores, ao criar brechas de segurança que poderão ser exploradas para fins maliciosos;

• Reafirmar que mecanismos criptográficos sólidos são fundamentais à integridade e segurança de sistemas digitais, ao sigilo empresarial, bem como à garantia da inimputabilidade da rede e da funcionalidade, segurança e estabilidade da Internet;

• Ressaltar que uma hipotética opção por mecanismos de criptografia vulneráveis contrariaria as melhores práticas internacionais e afetaria severamente a segurança dos usuários e dos empreendimentos na Internet, bem como poderia inibir a inovação e o surgimento de modelos de negócio.”

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest