Cem bancos já atingidos pelo malware Ursnif só na Itália

Pesquisadores da Avast localizaram dados que parecem ter sido roubadas das vítimas do Ursnif pelos operadores do malware
Da Redação
05/03/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Pesquisadores do Avast Threat Labs descobriram que o malware Ursnif ja fez vítimas em pelo menos cem bancos só na Itália. Ao analisar as informações localizadas na web, os pesquisadores encontraram nomes de usuário, senhas, números de cartões de pagamentos, informações bancárias e de pagamento que parecem ter sido roubadas pelos operadores do malware Ursnif. “Vimos evidências de mais de 100 bancos italianos ​​nas informações que obtivemos. Também vimos mais de 1.700 credenciais roubadas de um único processador de pagamentos”, disse o pesquisador Christopher Budd no blog da empresa. Na verdade os pesquisadores já contabilizaram 2.200 credenciais.

Veja isso
Novo malware rouba credenciais de servidores Exchange
Novo malware altamente sofisticado é encontrado em 30 mil Macs

O Ursnif é um malware que começou a operar em 2007 como trojan bancário, mas que evoluiu ao longo dos anos e permaneceu como ameaça constante e persistente segundo a Avast.

Ao longo dos últimos 14 anos ele atingiu usuários de muitos países, muitas vezes usando iscas em e-mails escritos no idioma da vítima. Entre os países nos quais o Ursnif fez ataques com mais frequência está a Itália, fato que segundo os pesquisadores está refletido na qualidade das informações obtidas por eles.

Depois de localizar as informações, os pesquisadores da Avast as compartilharam com os processadores de pagamentos e bancos dos quais as vítimas eram clientes. Fizeram o compartilhamento também com grupos de proteção aos serviços financeiros como o CERTFin Itália. Com essas informações, as empresas e instituições estão tomando medidas para proteger os clientes. Segundo Christopher Budd, “a Avast acredita fortemente no compartilhamento de informações para proteger todos na Internet”.

Com agências internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest