Shahid Rajaee porto

Caos em porto iraniano foi ataque de Israel, diz jornal

A ação seria represália a uma tentativa de hackers iranianos atingirem a Mekorot, empresa de infraestrutura de água e esgoto de Israel
Paulo Brito
19/05/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Israel está sendo considerado suspeito da autoria de um pesado e sofisticado ataque cibernético contra uma instalação portuária iraniana, causando um caos generalizado, informou ontem o jornal americano Washington Post. A ação teria sido feita em represália a uma tentativa de hackers iranianos atingirem a Mekorot, companhia nacional de infraestrutura de tratamento e distribuição água de Israel. Citando autoridades estrangeiras e norte-americanas, a reportagem diz que o ataque levou o “movimentado terminal portuário de Shahid Rajaee a uma parada abrupta e inexplicável” no dia 9 de maio. Ele é um terminal marítimo recém-construído na cidade costeira de Bandar Abbas, no Estreito de Ormuz.

“Os computadores que regulam o fluxo de embarcações, caminhões e mercadorias caíram ao mesmo tempo, criando filas de atendimento nas hidrovias e nas estradas que levam às instalações”, informou o Post, acrescentando que fotos de satélite mostraram engarrafamentos quilométricos na direção do porto e navios ainda esperando para descarregar vários dias depois. Mais tarde, o Irã reconheceu que um hacker estrangeiro desconhecido havia desligado brevemente os computadores do porto, que é considerado o maior do Irã.

Veja isso
Porto de Fortaleza completa 7 dias refém de ransomware
Ciberdefesa: portos americanos em risco

No entanto, os danos foram muito mais graves, segundo o jornal, e teria sido realizado por agentes israelenses, conforme um funcionário de uma agência de informações de um governo estrangeiro.  O funcionário chamou o ataque de altamente preciso: “Houve desordem total”. Uma autoridade dos EUA com acesso a arquivos classificados também disse que se acreditava que os israelenses estavam por trás do ataque. 

O ataque à Mekorot ocorreu de 24 a 25 de abril, em instalações de água e esgoto em todo o país, segundo o site de notícias da Ynet. A Autoridade da Água e a Diretoria Nacional de Cibernética de Israel confirmaram uma “tentativa de violação cibernética nos sistemas de comando e controle da água. A tentativa de ataque foi tratada pela Autoridade da Água e pela Diretoria Nacional de Cyber. Deve-se enfatizar que não houve danos ao suprimento de água e ela operou, e continua operando, sem interrupção ”, afirmou o órgão. O ataque causou danos mínimos, embora problemas tenham sido relatados em algumas instalações nos conselhos locais, disseram as autoridades.

Israel teria ficado horrorizado com o ataque iraniano à sua infraestrutura de água. Uma reunião do gabinete de segurança de alto nível, em 7 de maio, a primeira realizada em meses, tratou em parte da tentativa iraniana, informou a televisão israelense. “Este é um ataque que vai contra todos os códigos de guerra. Mesmo dos iranianos, não esperávamos algo assim ”, disse uma autoridade.

Outra autoridade ocidental não identificada disse à TV israelense na manhã de hoje que o ataque cibernético foi mesmo uma retaliação pela tentativa fracassada de ataque de Teerã à infra-estrutura de água. E que a resposta parece indicar que Israel adotou uma estratégia de “olho por olho” em resposta à guerra cibernética iraniana, uma tática já usada pelos militares israelenses com ataques físicos ou cibernéticos: “Israel espera que os iranianos parem por aí. Eles atacaram os componentes da infraestrutura de água. Eles realmente não causaram danos – mas eles cruzaram uma linha e Israel precisou retaliar”.

Um alto funcionário do Departamento de Energia dos EUA disse à Fox News que o governo Trump estava comprometido em proteger os aliados dos ataques cibernéticos, mas não quis comentar sobre o incidente específico, dizendo que uma investigação estava em andamento.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest