facebook-bug-bounty.jpg

Cambridge Analytica enganou usuários do Facebook, diz FTC

Da Redação
10/12/2019
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Consultoria também violou acordo de transferência internacional de dados pessoais entre a União Europeia e os Estados Unidos

A Comissão Federal de Comércio (FTC) dos Estados Unidos disse na sexta-feira que que a agora extinta empresa de consultoria britânica Cambridge Analytica enganou dezenas de milhões de usuários sobre a coleta de dados de seus perfis no Facebook para uso eleitoral.

Calcula-se que a consultoria obteve dados de até 87 milhões de usuários da rede social. Esses dados, coletados por meio de um aplicativo aparentemente inócuo, foram usados ​​para atingir os eleitores antes da eleição presidencial dos Estados Unidos em 2016, diz a FTC.

O órgão regulador do governo americano também constatou que a Cambridge Analytica se envolveu em práticas enganosas ligadas à sua participação na estrutura do Privacy Shield União Europeia-EUA — um pacto sobre a transferência internacional de dados pessoais. Segundo a FTC, a consultoria alegou falsamente que ainda participava do contrato de transferência de dados, apesar de sua certificação ter expirado.

A descoberta da FTC confirma as alegações feitas em uma reclamação administrativa emitida em julho de “que os usuários do aplicativo foram falsamente informados de que o aplicativo não coletaria seus nomes ou outras informações identificáveis”.

“A Ordem Final proíbe a Cambridge Analytica de fazer deturpações sobre a extensão em que protege a privacidade e a confidencialidade das informações pessoais, bem como sua participação na estrutura do Privacy Shield União Europeia-EUA e de outras organizações reguladoras ou de padrões semelhantes”, observou a FTC.

Além disso, a empresa é obrigada a continuar a aplicar proteções do Privacy Shield às informações pessoais coletadas durante a participação no programa — ou a fornecer outras proteções autorizadas por lei —, ou a devolver ou excluir as informações. Ela também deve excluir as informações pessoais coletadas por meio do GSRApp.

No início deste ano, a FTC multou o Facebook em US$ 5 bilhões por deficiências na proteção dos dados dos usuários, o que permitiu ao desenvolvedor do aplicativo enganar os usuários e coletar dados sem consentimento, tanto dos usuários do Facebook como de seus amigos e familiares.

Desde então, a rede social anunciou uma ampla política de privacidade por design, que introduzirá processos mais rigorosos para controlar o que os desenvolvedores podem ou não fazer. Embora a Cambridge Analytica tenha concordado em resolver as alegações da FTC, ela acabou pedindo falência em 2018. Com agências de notícias internacionais.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest