GAT Digital Banner
GAT Digital Banner
iStock-941923790.jpg

Brasileiro vê redes Wi-Fi como mais vulneráveis a ameaças

Consumidores listam também como mais vulneráveis PCs, dispositivos domésticos inteligentes, smart TVs e sistemas de jogos
Da Redação
13/05/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Dois em cada três consumidores brasileiros (68%) afirmam ter adotado mais proteção em seus dispositivos e atividades online, o que representa um número bastante superior à média global, que é de 61%, de acordo com a pesquisa “2021 Consumer Security Mindset: Travel Edition” realizada pela empresa de segurança cibernética McAfee.

O levantamento, que busca mostrar como os brasileiros estão abordando a proteção digital em viagens a lazer, apesar da pandemia, constatou que eles estão cientes dos riscos cibernéticos associados às suas viagens, embora os comportamentos às vezes sejam negligentes. Há uma grande discrepância entre o comportamento dos brasileiros em relação às práticas de cibersegurança dentro e fora de seus domicílios. Segundo o estudo, 92% dos consumidores indicam já ter se conectado a dispositivos ao visitar uma casa que não é a sua, em um hotel, por exemplo, ficando mais vulneráveis ​​a riscos, por estarem mais conectados e menos protegidos.

“Mais do que apresentar dados interessantes sobre o desejo dos brasileiros de retomarem a rotina de viagens, a pesquisa oferece dados alarmantes sobre o descuido na conexão de seus dispositivos fora de sua casa, como em redes públicas desconhecidas. A falta de conhecimento quanto aos ataques cibernéticos pode colocar muitos indivíduos e famílias em risco real”, afirma Paula Xavier, líder de marketing da McAfee para América Latina.

Veja isso
Novas vulnerabilidades no WhatsApp permitem hackear celular Android
Brasileiro negligencia segurança por se achar ‘comum demais’

Entre os dispositivos mais mencionados pelos consumidores aos quais se conectam quando estão em hotéis e motéis, casa de férias alugada ou alojamentos com café da manhã (bed & breakfast) estão dispositivos pessoais como laptops e computadores (79%), smart TVs (82%), dispositivos de streaming (76%), alto-falantes Bluetooth (63%) e sistemas de jogos (71%).

Os brasileiros também se conectam a todos os tipos de redes. Os mais mencionados são o Wi-Fi público (48%), rede doméstica de amigos ou de casas alugadas (52%), Wi-Fi de carros (41%), redes hoteleiras (50%), Wi-Fi de aeroportos (47%) e smart TVs (42%). 

Ainda segundo o estudo, os consumidores brasileiros esperam um risco maior ao se conectar às redes Wi-Fi nos seguintes locais: hostels (28%), hotéis (23%) e casas de aluguel (18%). E consideram um risco baixo ou nenhum risco ao se conectar em sua própria residência (90%), na casa de amigos (74%), em uma casa alugada (55%) ou em um hotel (48%). No entanto, eles consideram como mais vulneráveis ​​a ameaças cibernéticas as redes Wi-Fi (73%), o computador pessoal (68%), dispositivos domésticos inteligentes (19%), smart TVs (22%) e sistemas de jogos (21%).

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Inscrição na lista CISO Advisor

* campo obrigatório