ransomware-cry-brazil.jpg

Brasil na vice-liderança mundial em ataques de ransomware

Da Redação
19/12/2019
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Relatório mensal Fast Facts aponta que, em outubro, ransomwares e ameaças por e-mail se mantiveram em alta no País

O último relatório Fast Facts, da Trend Micro, que analisou o cenário global das ameaças cibernéticas em outubro, mostra que o Brasil se mantém na vice-liderança na lista de países que mais sofrem com ameaças ransomware. O País tem 10,45% das ameaças globais identificadas pela empresa. O país líder nesse ranking é os Estados Unidos, com 11,16% das ameaças de todo o mundo. Do Top 5 fazem parte também Índia, Vietnã e Turquia.

Além dos ataques ransomware, outra ameaça crescente aqui no Brasil são os e-mails maliciosos. Apenas em outubro, a Trend Micro bloqueou mais de 130 milhões de ameaças por e-mail. Nesse campo, o Brasil fica atrás apenas dos EUA (que lidera o ranking mais uma vez, com mais de 700 milhões de ameaças bloqueadas) e da China.

Segundo os números da Trend Micro, as URLs falsas são outro grande fator de risco quando o assunto é segurança cibernética. Apenas em outubro, cada um dos endereços falsos que continham ameaças fez, em média, 26 vítimas. No período, a companhia bloqueou mais de 47 mil endereços maliciosos. O relatório Trend Micro é divulgado pela Trend Micro Research, com atualizações mensais sobre o cenário de ameaças. Além dos sensores da SPN, os dados coletados também vieram de pesquisadores da Trend Micro, da equipe do Zero Day Initiative (ZDI), da equipe de Threat Hunting, da equipe de Serviço Móvel de Reputação de Aplicativos (MARS) e da Smart Home Network (SHN).

O número crescente de dispositivos móveis também não passou desapercebido pelos cibercriminosos. A Trend Micro bloqueou mais de 2,1 mil aplicativos maliciosos que seriam baixados pelos usuários. “Esses fake apps ficam dentro das lojas oficiais dos fabricantes do sistema operacional, muitas vezes disfarçados como jogos ou aplicativos com filtros para edição de fotos, pois são categorias de apps bastante exploradas pelos usuários. Após instalados, esses aplicativos podem roubar informações, atuar como adware (exibindo anúncios indesejados e de forma abusiva) e até mesmo monitorar o usuário por meio da câmera ou microfone do smartphone,” finaliza Fiorim.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest