Biden se reúne com Apple, IBM e Google para discutir segurança

Reunião discutirá as preocupações sobre a segurança do software de código aberto e como ele pode ser melhorado, segundo a Casa Branca
Da Redação
13/01/2022
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

A Casa Branca se reuniu nesta quinta-feira, 13, com executivos de grandes empresas de tecnologia, incluindo Google, Apple, Amazon e IBM, para discutir segurança de software após os Estados Unidos terem sofrido vários ataques no ano passado. 

Em dezembro, o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, enviou uma carta aos CEOs de empresas de tecnologia depois que uma vulnerabilidade de segurança foi descoberta em um software de código aberto chamado Log4j, que organizações em todo o mundo estão usando para salvar dados em seus aplicativos. Na carta, Sullivan observou que esse software de código aberto é amplamente usado e mantido por voluntários e é um “grande problema de segurança nacional”.

Na reunião, organizada pelo Conselheiro Adjunto de Segurança Nacional para Tecnologia da Informação e Tecnologias Emergentes, serão discutidas as preocupações sobre a segurança do software de código aberto e como ele pode ser melhorado, disse a Casa Branca em comunicado.

Veja isso
Líderes de tech prometem a Biden muita verba para cyber
Biden quer sistema internacional de cibersegurança

Outras grandes empresas de tecnologia presentes na reunião são a Microsoft, Meta Platforms, holding do Facebook, e a Oracle. Agências governamentais, incluindo o Departamento de Segurança Interna, o Departamento de Defesa e o Departamento de Comércio, também participam.

A segurança cibernética tem sido uma das principais prioridades do governo Biden após vários grandes ataques cibernéticos no ano passado, que expuseram milhares de registros mantidos por empresas e agências governamentais a hackers.

Um hack, que o governo dos EUA disse ter sido provavelmente orquestrado pela Rússia, violou o software SolarWinds e deu aos hackers acesso a milhares de empresas e escritórios do governo que usam seus produtos. Os hackers tiveram acesso a e-mails nos departamentos do Tesouro, Justiça e Comércio dos EUA e outras agências. Com agências de notícias internacionais.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

ATENÇÃO: INCLUA [email protected] NOS CONTATOS DE EMAIL

(para a newsletter não cair no SPAM)