Bancoestado chile

BC europeu alerta bancos sobre risco de ciberataques pela Rússia

Da Redação
10/02/2022

O Banco Central Europeu (BCE) está alertando os bancos para um possível ataque cibernético patrocinado pela Rússia à medida que as tensões com a Ucrânia aumentam. A advertência teria sido feita pela ex-ministra francesa Christine Lagarde, que lidera o BCE e questionou os bancos sobre suas defesas, disseram pessoas com conhecimento do assunto à agência de notícias Reuters, sob a condição de anomimato.

O impasse entre a Rússia e a Ucrânia abalou os líderes políticos e empresariais da Europa, que temem uma invasão que possa causar danos a toda a região.

Embora o BCE tenha se concentrado em golpes bancários que explodiram durante a pandemia, a crise na Ucrânia desviou a atenção da autoridade monetária europeia para a possibilidade de ataques cibernéticos patrocinados pela Rússia. “Os bancos estavam realizando jogos de guerra cibernética para testar suas capacidades de defesa”, disse uma das fontes. O BCE não quis comentar o assunto.

O fato é que as preocupações já são evidenciadas em todo o mundo. O Departamento de Serviços Financeiros de Nova York emitiu alerta às instituições financeiras no final de janeiro, advertindo sobre ataques cibernéticos caso a Rússia invada a Ucrânia e os EUA aplique sanções ao país, segundo a divisão de Inteligência Regulatória da Thomson Reuters.

Os Estados Unidos, a União Europeia e o Reino Unido alertaram o presidente russo, Vladimir Putin, sob as possíveis consequências caso decida atacar a Ucrânia, após a Rússia ter enviado cerca de 100 mil soldados perto da fronteira com o país vizinho.

Veja isso
União Europeia denuncia ataques com origem na Rússia
UE quer criar central cibernética para enfrentar cibercrime

No início deste ano, vários sites ucranianos foram atingidos por um ataque cibernético que deixou aviso para “ter medo e esperar o pior”. O serviço de segurança (SBU) da Ucrânia disse ter visto sinais de que o ataque estava ligado a grupos de hackers associados aos serviços de inteligência russo.

Por outro lado, autoridades russas dizem que o Ocidente está dominado pela russofobia e “não tem o direito de ensinar Moscou sobre como agir” depois que a Otan expandiu a aliança militar para o leste, desde a queda da União Soviética em 1991. O Kremlin também nega veementemente que o Estado russo tenha algo a ver com hackers e disse estar pronto a cooperar com os EUA e outros países para reprimir o crime cibernético.

O fato é que o Centro Nacional de Segurança Cibernética da Grã-Bretanha alertou grandes organizações para reforçar sua resiliência de segurança cibernética em meio às crescentes tensões entre Rússia e Ucrânia.

Compartilhar: