Barroso-1.jpg

Barroso diz que tentativa de ataque ao TSE neste domingo foi neutralizada

Presidente TSE admitiu que houve uma tentativa de ataque com grande volume de acessos simultâneos, mas garantiu que foi abortada
Erivelto Tadeu
15/11/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, falou em coletiva de imprensa na tarde deste domingo, 14, como tem sido o dia de votação nas eleições municipais e negou que o TSE tenha sofrido ataque hacker. Ele informou, no entanto, que houve uma tentativa de ataque com grande volume de acessos simultâneos, mas que foi totalmente neutralizada pelo tribunal e pelas operadoras de telefonia. 

Esse tipo de ação de hackers é conhecido como ataque distribuído de negação de serviço (DDoS – Distributed Denial of Service).

Barroso destacou que a informação veiculada por alguns órgãos de imprensa de que teria havido ataque com vazamento de dados pessoais de servidores do Tribunal Superior Eleitoral não procede. “Nada ocorreu hoje nem tampouco nos últimos dias relativamente a ataques. Nós estamos ainda apurando essa informação, mas não houve ataque bem-sucedido no dia de hoje. Nós temos muitas razões para supor que essas informações vazadas se refiram a ataques antigos. Não saberia ainda precisar de quando, mas certamente posteriores ao momento em que o Tribunal Superior Eleitoral reforçou, com a proximidade das eleições, seus sistemas de defesa.”

Veja isso
TSE nega que ciberataque seja a causa da queda dos sistemas do tribunal
Ministério da Saúde admite que pode ter sofrido ataque cibernético

O ministro lembrou que as urnas já estavam todas devidamente carregadas e, por não estarem em rede, eventuais ataques cibernéticos não teriam como afetar o processo de votação. “Contudo, estamos atentos, ataques são preocupação do mundo contemporâneo”, afirmou Barroso, para quem, no entanto, essa tentativa não é uma novidade desse pleito. “Minha impressão é que eles se repetem de longa data”, disse.

Apesar de não ter detalhes sobre o ocorrido, Barroso afirmou ser “quase certo” de que a tentativa de ataque partiu de uma ação em outro país. “Às vezes quando ocorre ataque de outro país alguém aqui reivindica, mas muito provavelmente terá sido ataque de outro país”, acrescentou.

Em relação ao vazamento de informações que a imprensa está divulgando, ele disse que o TSE ainda está apurando. “Podemos assegurar que esse vazamento não é produto de ataque atual, é de ataque antigo. O quão antigo nós não temos certeza, apesar de terem sido detectados alguns e-mails que ainda eram final .gov.br, que é uma alteração que já foi feita há muito tempo, pois a extensão do TSE é .jus.br como todos sabem”, afirmou.

No início da noite deste domingo, o TSE soltou nota garantindo que a queda no sistema de divulgação dos resultados eleitorais, que tem gerado lentidão no processo de totalização dos votos, não tem relação com a tentativa de ataque cibernético registrada pela manhã ou com o vazamento de dados pessoais de servidores.

Barroso disse que o atraso na totalização ocorre por “força de um problema técnico”. Segundo o ministro, um dos núcleos de processadores do supercomputador que processa a totalização falhou e foi preciso repará-lo. O ministro diz que espera ter a explicação técnica melhor consolidada até esta segunda-feira, 16.

Notícia atualizada às 20h49.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest