bank-2907728_1280.jpg

Banco Mundial lança fundo global de segurança cibernética

Objetivo do Fundo Fiduciário de Multidoadores de Segurança Cibernética é ajudar nações de baixa renda a melhorar a proteção
Da Redação
23/08/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

O Banco Mundial lançou um fundo de segurança cibernética para nações de baixa e média renda com objetivo de apoiar os esforços do setor público para realizar avaliações da maturidade de cibersegurança, oferecer assistência técnica e apoiar o treinamento e o desenvolvimento de pessoal.

A instituição financeira internacional, que oferece uma ampla variedade de empréstimos e concessões a governos para projetos que necessitam de investimento de capital, lançou o Fundo Fiduciário de Multidoadores de Segurança Cibernética no âmbito de seu programa Parceria para o Desenvolvimento Digital, descrito como uma plataforma para inovação digital e financiamento do desenvolvimento.

A nova iniciativa de segurança cibernética visa acelerar a transformação digital, melhorando as capacidades técnicas dos governos e seus esforços para aumentar a conscientização sobre cibersegurança. Um porta-voz do Banco Mundial disse ao Information Security Media Group que os fundos associados serão desembolsados ​​”usando diversos modelos de implementação” para catalisar investimentos específicos em segurança cibernética. O montante de financiamento a ser fornecido não foi revelado.

O banco chama atenção especial para os investimentos em segurança que melhoram a infraestrutura crítica — incluindo os setores de energia, transporte, finanças e saúde. “Esses sistemas [projetados antes ou durante os primeiros anos da revolução digital] são hoje altamente vulneráveis ​​a ataques de segurança cibernética com resultados possivelmente sérios”, disse o banco na página dedicada ao fundo.

O porta-voz do Banco Mundial diz que o novo financiamento pode ajudar a melhorar a conscientização sobre a segurança cibernética em nível nacional e permitir que os governos identifiquem riscos, financiem soluções técnicas e se preparem para investimentos em infraestrutura.

O novo fundo foi lançado com contribuições de doadores da Estônia, Alemanha, Japão e Holanda.

Cibersegurança e crescimento econômico

O banco afirma que a transformação digital oferece novas oportunidades de crescimento econômico e permite que muitos países “superem” o desenvolvimento por meio da melhoria da prestação de serviços em setores como finanças, saúde, educação e agricultura.

Mas a transformação digital cria riscos, portanto, as melhorias de segurança são essenciais, as notas de banco. “Todas as nossas economias … dependem cada vez mais de uma boa segurança cibernética para crescer e prosperar”, disse Elizabeth Vish, do escritório do coordenador de questões cibernéticas do Departamento de Estado dos EUA. “Acreditamos que a comunidade internacional estará mais segura, estável e próspera quando uma ampla gama de estados tiver a capacidade de defender suas próprias redes.”

Veja isso
Banco Mundial conclama países a fortificarem os seus sistemas
Vazamento pode ter dados do Banco Mundial, Fundação Gates, OMS

Boutheina Guermazi, diretora do Departamento de Desenvolvimento Digital do Banco Mundial, disse que a “covid-19 destacou o papel vital que as tecnologias e aplicativos digitais desempenham em uma agenda de desenvolvimento resiliente”. “À medida que os governos estão aumentando rapidamente seus investimentos em tecnologias digitais, a segurança cibernética se tornou uma preocupação urgente para garantir uma transformação digital segura e protegida”, completou.

Comentando sobre o lançamento da nova iniciativa do Banco Mundial, Mari Tomingas do Departamento de Diplomacia Cibernética do Ministério das Relações Exteriores da Estônia observou que “é essencial que os elementos básicos de segurança cibernética sejam integrados em todos os projetos de digitalização. Estamos muito felizes com o lançamento do novo fundo fiduciário”.

Nova era da cibersegurança

A diretora executiva interina da National Cybersecurity Alliance, Lisa Plaggemier, diz que está começando a perceber que os melhores tipos de defesas de cibersegurança são aqueles em que as pessoas trabalham juntas para cumprir as metas de prevenção e segurança. “Infelizmente, muitos países não têm recursos para construir infraestruturas robustas de segurança cibernética – muito menos enquanto tentam cumprir as metas de transformação digital. Assim, não apenas as nações com poucos recursos são mais vulneráveis, mas todas as nações são vulneráveis”, completa.

“O novo programa do Banco Mundial e outros semelhantes ajudarão a fornecer os recursos necessários para reforçar a detecção, mitigação e relatórios de ameaças, e equipar melhor cada nação para a nova era de segurança cibernética”, acrescenta Lisa.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest