Azure Sphere em fase comercial: Microsoft entra forte em IoT

Paulo Brito
26/02/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Empresa anunciou que sua solução Azure Sphere para dispositivos de Internet das Coisas (IoT) alcançou o estágio para lançamento comercial, que ela chama de “disponibilidade geral”

A Microsoft escolheu o primeiro dia da RSA Conference, a última segunda-feira,  para anunciar que suas soluções Azure Sphere para dispositivos da Internet das Coisas (IoT) alcançaram o estágio para lançamento comercial, que a empresa chama de “disponibilidade geral” (GA). A solução Azure Sphere foi apresentada pela primeira vez há quase dois anos. O anúncio da Microsoft explica que os “softwares e hardwares do Azure Sphere passaram por rigorosas análises de qualidade e segurança” até seu lançamento no estágio GA. Com o Azure Sphere, a Microsoft afirma que há um ambiente confiável geral para implantar e utilizar dispositivos de IoT. 

O Azure Sphere começou como um projeto de pesquisa da empresa para proporcionar um alto nível de segurança a dispositivos industriais e domésticos a baixo custo. A Microsoft trabalhou com a MediaTek na modificação de um de seus microcontroladores para esse fim. A ideia era abordar sete propriedades necessárias a todos os dispositivos em rede. Essas propriedades, de acordo com um artigo da Microsoft Research, incluíam:

  • Uma raiz de confiança baseada em hardware
  • Uma pequena base confiável de computação 
  • Defesa em profundidade
  • Compartimentalização
  • Autenticação baseada em certificado
  • Renovações de segurança
  • Relatórios de falhas

A exigência da Microsoft era que os dispositivos de IoT tivessem identidades únicas, baseadas em hardware, usando chaves privadas inacessíveis ao software. O conceito de defesa em profundidade, baseado no console de jogos Xbox, serve para manter os dispositivos protegidos se houver uma violação da camada de software, explicou Galen Hunt, diretor-gerente do projeto Azure Sphere. Certificados assinados usando chaves criptográficas deveriam ser usados ​​em vez de senhas. O software deveria ser atualizado automaticamente e qualquer falha seria relatada aos fabricantes.

A família Azure, segundo Hunt, tem a capacidade de adicionar proteção para dispositivos IoT mais antigos por meio de ‘Módulos Guardiões’. Esses módulos fazem parte dos chips e oferecem suporte a conexões com o serviço de segurança do Azure Sphere para verificações de segurança e correções automatizadas. “O módulo guardião é um dispositivo muito pequeno – não maior que uma carta de baralho – construído em torno de um chip Azure Sphere”, explicou.

Atualmente, o Azure Sphere é suportado pelo chip MT3620 da MediaTek, mas outros parceiros de hardware estão também criando chips do Azure Sphere: em Junho de 2019, a Microsoft havia anunciado uma parceria com a NXP para a construção de um chip com “mais recursos de computação” do que no chip da MediaTek, explicou Hunt. Em outubro, a Qualcomm anunciou planos para construir um chip do Azure Sphere para celular.
Com agências internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest