Ataques ampliam mercado de plataformas de inteligência de ameaças

Elas ajudam as organizações a navegar num cenário cada vez mais complexo e permitem ampliar as análises de ameaças
Da Redação
13/10/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

O mercado de plataformas de inteligência de ameaças é um dos que menos foi afetado pela covid-19 na área de cibersegurança: a Frost & Sullivan publicou hoje um estudo estimando que ele alcance US$ 234,9 milhões em 2022, contra US$ 132,7 milhões em 2019, crescendo a uma taxa anual de 21%. O estudo, chamado “Assessment of the Global Threat Intelligence Platforms Market, Forecast to 2022”, conclui que o volume crescente e as complexidades das ameaças cibernéticas têm impulsionado o mercado de plataformas de inteligência de ameaças (ou TIPs). Essas soluções ajudam as organizações a navegar no cenário cada vez maior de ameaças e permitem análises adicionais e operacionalização de inteligência.

Mikita Hanets, analista de pesquisa de Tecnologias de Informação e Comunicação da Frost & Sullivan, avalia que “a América do Norte vai dominar o mercado e contribuir com a receita máxima, seguida pela Europa , Oriente Médio e África (EMEA), Ásia-Pacífico e América Latina. Tecnologia e telecomunicações serão o mercado vertical de crescimento mais rápido para fornecedores de TIP nos próximos dois anos, enquanto os bancos e finanças deverão contribuir com o máximo até 2022”.

Veja isso
Ameaças crescem com o distanciamento social
Proteção avançada contra ameaças no perímetro da rede

Segundo Hanets, “a proliferação de casos de uso de TIP indica a convergência do espaço do TIP com os mercados adjacentes”, disse Mikita Hanets, Analista de Pesquisa de Tecnologias de Informação e Comunicação da Frost & Sullivan. “Cada vez mais os fornecedores buscam oferecer alguns elementos da funcionalidade TIP em plataformas de segurança, orquestração, automação e resposta (SOAR) e gerenciamento de informações e eventos de segurança (SIEM) e vice-versa. No futuro, soluções que permitam às empresas operacionalizar dados relacionados a ameaças e a configuração de fluxos de trabalho para incidentes cibernéticos convergirão nos próximos três anos”.

Com agências internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest