Avião.jpg

Ataque hacker à EasyJet afeta 9 milhões de clientes

Segundo companhia aérea, criminosos cibernéticos tiveram acesso a dados de cartões de crédito de 2.208 clientes
Da Redação
19/05/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

EasyJet, maior companhia aérea de baixo custo do Reino Unido, confirmou que os dados pessoais de aproximadamente 9 milhões de clientes foram acessados ​​após um ciberataque “altamente sofisticado” a seu sistema. Em comunicado à imprensa, a empresa disse que tomou medidas para gerenciar o incidente, assim que teve conhecimento do ataque e fechou o acesso não autorizado. Ela também disse que já comunicou e ofereceu suporte aos clientes.

Segundo a companhia, os hackers tiveram acesso a dados de cartões de crédito de 2.208 clientes, sendo que do restante de clientes afetados foram acessados ​​endereços de e-mail e detalhes da viagem. A EasyJet disse que esses clientes serão contatados nos próximos dias e que a empresa “os aconselhará com medidas de proteção para minimizar qualquer risco de phishing”.

Veja isso
Ataques a supercomputadores em países europeus
Ataques a bancos aumentam 238% durante pandemia

A empresa também afirmou que notificou o Centro Nacional de Segurança Cibernética e o Gabinete do Comissário da Informação (OIC) do Reino Unido sobre a violação.

A EasyJet não forneceu detalhes sobre a natureza da violação, mas diz não haver evidências de que as informações acessadas tenham sido usadas indevidamente. No entanto, a companhia aérea está alertando os clientes a ficarem alertas a qualquer comunicação não solicitada e a serem “cautelosos com relação a qualquer comunicação que venha da EasyJet ou da EasyJet Holidays”.

Johan Lundgren, CEO da EasyJet, disse: “Levamos a segurança cibernética de nossos sistemas muito a sério e temos medidas de segurança robustas para proteger as informações pessoais de nossos clientes. No entanto, essa é uma ameaça em evolução, pois os ciberataques ficam cada vez mais sofisticados.

“Desde que tomamos conhecimento do incidente, tornou-se claro que, devido a covid-19, há uma preocupação crescente sobre o uso de dados pessoais para fraudes on-line. Como resultado, e por recomendação da OIC, estamos entrando em contato com os clientes cujas informações de viagem foram acessadas e aconselhando-os a serem mais vigilantes, principalmente se receberem comunicações não solicitadas”, disse Johan Lundgren, CEO da EasyJet, em declaração à imprensa.

O incidente chegou um momento particularmente ruim para a EasyJet, que enfrenta a possibilidade de sofrer multa elevada de acordo com as regras da GDPR (General Data Protection Regulation), legislação que garante a proteção de dados pessoais na União Europeia. No ano passado, a British Airways teve multa recorde de 183 milhões de libras esterlinas por descumprimento da GDPR por ter falhado em impedir um ataque de skimming digital em 2018.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest