googletag.cmd.push(function() { googletag.display('div-gpt-ad-1592598795326-0'); });

Após violação de dados, EasyJet é alvo de ação coletiva de £ 18 bi

Escritório de advocacia diz que foi contatado por pessoas afetadas pela violação. Os advogados estão pedindo 2 mil libras esterlinas por cliente afetado
Da Redação
26/05/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

O escritório de advocacia internacional PGMBM ajuizou ação coletiva, no valor de 18 bilhões de libras esterlinas contra a EasyJet no Tribunal Superior de Londres, após a divulgação de uma violação de dados da companhia aérea na semana passada. A banca de advogados disse que foi contatada por “numerosas pessoas afetadas” e está pedindo mais vítimas que se apresentem. Os advogados estão pedindo 2 mil libras por cliente afetado.

O escritório diz que o artigo 82 do Regulamento Geral de Proteção de Dados da União Europeia (GDPR) concede aos clientes o direito a indenização por inconveniência, angústia, aborrecimento e perda de controle de seus dados pessoais.

Veja isso
GE comunica violação ocorrida por meio de acesso da Canon
Easyjet sabia desde janeiro da violação de dados

A companhia aérea revelou na semana passada ter sido vítima de um ataque “altamente sofisticado” à sua infraestrutura de TI, permitindo que os hackers tivessem acesso a dados de cartões de crédito de 2.208 clientes, além de endereços de e-mail e detalhes de viagens de 9 milhões de passageiros.

Apesar de alegar que não havia evidências de que nenhuma das informações roubadas tivesse sido usada, a companhia aérea alertou os afetados sobre ataques de phishing subsequentes, mas não notificou o órgão regulador do Reino Unido, o  Gabinete do Comissariado da Informação (ICO), em janeiro,  sobre o incidente. A empresa também demorou vários meses para informar os clientes.

O PGMBM afirma que a exposição dos planos de viagem pode representar riscos à segurança para os clientes, além de ser uma invasão grosseira à privacidade.

O caso agora ganha mais repercussão devido à potencial perda financeira à companhia, que pode sofrer multa bilionária imposta pelo órgão regulador pela grave violação de dados. A ICO recebeu algumas críticas recentemente, depois que surgiram notícias de que pode estar considerando uma multa significativamente menor do que os 183,4 milhões de libras, publicada em um aviso de intenção no ano passado, em resposta a uma grande violação da British Airways.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest