AWS adia fim de suporte a velhos endereços de armazenamento

Faltando menos de uma semana para o final do suporte, empresa resolve adiar a data, em meio a inquietações de usuários
Da Redação
05/10/2020

A AWS prolongou seus planos de eliminar o suporte para um determinado tipo de caminho de acesso ao bucket de armazenamento S3, o “path style”. O anúncio foi feito menos de uma semana antes que o prazo original se esgotasse, em meio a inquietações dos clientes.

A mudança foi anunciada pela primeira vez em abril de 2019,de modo que o S3 iria parar de aceitar solicitações em certo formato, em todas as regiões, a partir de 30 de setembro de 2020. Depois dessa data, de acordo com os planos originais da AWS, as solicitações de acesso ao armazenamento S3 não seriam respondidas para os aplicativos que usassem o modelo “path style”.

Veja isso
Varredura encontra 4 mil buckets S3 expondo dados confidenciais
Imagens de máquinas virtuais para AWS podem estar contaminadas

Os críticos da mudança alertaram para o fato de que muitos clientes da AWS provavelmente teriam codificado esses caminhos em seus sistemas e não teriam capacidade nem interesse em reescrever links, por exemplo, em seus sistemas CMS, dentro do prazo determinado.

Justificando as alterações propostas anteriormente, a Amazon disse sobre o plano original que o “path style” pode não escalar bem e resultar em grandes volumes de solicitações roteadas por meio de um potencial gargalo de S3 limitados.

No “path style”, o subdomínio S3 é sempre s3.amazonaws.com ou um endereço regional. Com o estilo de endereço hospedado virtualmente, para o qual a AWS tem incentivado os usuários a mudarem, o subdomínio é específico para o bucket, ou seja,

“path style” legado: https://s3.amazonaws.com/etargett-public/images/example.jpeg

estilo de hospedagem virtual: https://etargett-public.s3.amazonaws.com/images/example.jpeg

Em 23 de setembro, no entanto, citando “feedback de muitos clientes”, a AWS informou que preferiu adiar a descontinuação das URLs de path style para garantir que os clientes tivessem mais tempo.

Com agências internacionais

Compartilhar:

Últimas Notícias