Agência da ONU investiga ataque de ransomware e roubo de dados

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) investiga um ataque de ransomware no qual hackers roubaram dados confidenciais
Da Redação
19/04/2024

O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), da Organização das Nações Unidas (ONU), anunciou esta semana que está investigando um ataque cibernético que resultou no comprometimento de informações. Em um comunicado, a organização afirmou que o ataque teve como alvo a infraestrutura local de TI na Cidade das Nações Unidas, complexo com sede em Copenhagenque abriga quase uma dúzia de agências da ONU.

O PNUD disse ter tomado conhecimento do ciberataque em 27 de março quando um “operador de ameaças roubou dados, que incluíam determinadas informações de recursos humanos e sobre aquisições”. “Ações foram tomadas imediatamente para identificar a fonte potencial e conter o servidor afetado, bem como para determinar as especificidades dos dados expostos e quem foi afetado”, disse a agência.

PNUD disse que atualmente está realizando uma avaliação minuciosa da natureza e da extensão do ataque cibernético, e afirmou que vem mantendo comunicação contínua com as pessoas afetadas pela violação para que possam tomar medidas para proteger as suas informações pessoais contra utilização indevida. “Além disso, continuamos os esforços para contatar outras partes interessadas, incluindo informar os nossos parceiros em todo o sistema da ONU”, acrescentou.

Veja isso
ONU apura roubo de US$ 3 bi em criptoativos pela Coreia do Norte
Rússia e EUA propõem na ONU proteção cibernética

Embora o PNUD não tenha compartilhado nenhuma informação adicional sobre o incidente, a organização aparentemente foi alvo de um ataque de ransomware conduzido por um grupo chamado 8base. O PNUD foi listado no site Tor do 8base em 27 de março. Os hackers parecem ter publicado os arquivos supostamente roubados da agência da ONU cerca de uma semana depois. Eles afirmam ter obtido faturas, recibos, documentos contábeis, certificados, acordos confidenciais, contratos de trabalho e informações pessoais.

O PNUD provavelmente se recusou a pagar qualquer resgate, considerando que os arquivos foram publicados logo após a organização ser apontada como vítima.

Em um comunicado, a organização afirmou que o ataque teve como alvo a infraestrutura local de TI na Cidade das Nações Unidas, complexo com sede em Copenhagen que abriga quase uma dúzia de agências da ONU.

Acesse o comunicado do PNUD sobre o ciberataque clicando aqui.

Compartilhar:

Últimas Notícias