Afegãos deletam seus dados para fugir do Taleban

Da Redação
18/08/2021

Bancos de dados biométricos construídos para a segurança das votações, assim como material em redes sociais e dispositivos pessoais estão sendo considerados um risco para milhares de afegãos após a tomada do poder pelo grupo Taleban. Segundo informações da agência de notícias Reuters e da BBC, os afegãos temem que sua própria história digital possa ser usada ​​para rastreá-los, localizá-los e prejudicá-los. Esses milhares de afegãos lutam agora para garantir a segurança física de suas famílias, com a preocupação adicional de deletar tudo o que for possível das redes sociais e dos dispositivos.

Veja isso
Caso SolarWinds já começou a gerar consequências diplomáticas
Malware bancário visa pessoa jurídica e pode driblar biometria

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, alertou sobre as restrições “congelantes” aos direitos humanos e as violações contra mulheres e meninas. Na segunda-feira, a Anistia Internacional informou que milhares de afegãos – incluindo acadêmicos, jornalistas e ativistas – correm “sério risco de represálias do Taleban”.

“Entendemos que agora é provável que o Taleban tenha acesso a vários bancos de dados biométricos e equipamentos no Afeganistão. Isso inclui acesso a um banco de dados de impressões digitais e varreduras de íris, bem como tecnologia de reconhecimento facial ”, disse o Human Rights First.

O grupo, com sede nos Estados Unidos, publicou uma versão em farsi de seu guia de apagamento de história digital, que foi lançado no ano passado para ativistas em Hong Kong. O guia contém dicas para contornar os sistemas de reconhecimento facial incluindo olhar para baixo, usar coisas que escondem suas características faciais ou aplicar várias camadas de maquiagem.

De acordo com a repórter Sana Safi, da BBC, meninos e homens “vasculham desesperadamente seus telefones para excluir as mensagens que enviam, a música que ouviram e as fotos que tiraram”.

Com agências de notícias internacionais

Compartilhar: