usa-2018855_1280.jpg

Ação coletiva acusa Okta de declarações enganosas

Da Redação
24/05/2022

A firma de advocacia Bernstein Liebhard, de Nova York, anunciou ontem a abertura de uma “ação coletiva de valores mobiliários” em nome de investidores que compraram ou adquiriram títulos da Okta (NASDAQ: OKTA) entre 5 de março de 2021 e 22 de março de 2022. O processo foi aberto no Tribunal Distrital dos Estados Unidos para o Distrito Norte da Califórnia e alega violações do Securities Exchange Act de 1934. Nesse período, o grupo de hackers Lapsus$ publicou informações supostamente obtidas da empresa.

Veja isso
Okta admite incidente, Lapsus$ contesta explicação
Lapsus$ vaza material atribuído a Microsoft, Okta e LG

A petição inicial afirma que “os Réus fizeram declarações materialmente falsas e enganosas sobre os negócios, operações e políticas de conformidade da Empresa. Especificamente, os Réus supostamente fizeram declarações falsas e/ou enganosas e/ou não divulgaram que: (i) Okta tinha controles de segurança cibernética inadequados; (ii) como resultado, os sistemas da Okta ficaram vulneráveis ​​a violações de dados; (iii) O Okta finalmente sofreu uma violação de dados causada por um grupo de hackers, que potencialmente afetou centenas de clientes do Okta; (iv) a Okta inicialmente não divulgou e depois minimizou a gravidade da violação de dados; (v) tudo o que precede, uma vez revelado, poderia ter um impacto negativo relevante nos negócios, condição financeira e reputação da Okta”.

O comunicado do escritório sobre o assunto diz que “por volta de 21 de março de 2022 , hackers conhecidos como LAPSUS$ postaram capturas de tela em seu canal Telegram mostrando o que alegavam ser o ambiente interno da empresa de Okta. Posteriormente, em 22 de março de 2022 , o CEO da empresa, Réu Todd McKinnon , declarou em sua conta no Twitter que “[no] final de janeiro de 2022, Okta detectou uma tentativa de comprometer a conta de um engenheiro de suporte ao cliente terceirizado que trabalha para um de nossos subprocessadores”; que “[o] assunto foi investigado e contido pelo subprocessador”; que “[acreditamos] que as capturas de tela compartilhadas online estão conectados a este evento de janeiro”; e que “[b]baseado em nossa investigação até o momento, não há evidências de atividade maliciosa em andamento além da atividade detectada em janeiro. Com esta notícia, o preço das ações da Okta caiu US$ 2,98 por ação, ou 1,76%, para fechar em US$ 166,43 por ação em 22 de março de 2022”.

Compartilhar: