A cada 4 segundos um novo malware surge na Internet

Paulo Brito
19/04/2017
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Somente no primeiro trimestre foram mais de 7,4 milhões de novas ameaças circulando em todo o mundo, segundo a G Data.A G Data, fornecedora de soluções antivírus, representada no Brasil pela FirstSecurity, identificou mais de 7,4 milhões de novas ameaças circulando em todo o mundo no primeiro trimestre do ano, o que representa um novo malware criado a cada 4 segundos.

Somente no primeiro trimestre de 2017, o ransomware – que criptografia arquivos e que exige pagamento de resgate para liberação do acesso – alcançou o mesmo volume ao longo do segundo semestre de 2016 e continua a causar estragos graves sobre as empresas e usuários domésticos. O oposto acontece com adware, que no primeiro trimestre de 2017 reuniu 14% de todas as novas ameaças identificadas pela G Data, mas cujos efeitos são muito menos dramáticos que o sequestrador de arquivos.

A orientação dos especialistas da G Data é não pagar resgates aos criminosos cibernéticos e manter uma solução antivírus abrangente que tenha capacidade de proteger os computadores e dispositivos móveis contra as ameaças online. Garantir a atualização dos sistemas operacionais e aplicações utilizadas é vital para a segurança, segundo Eddy Willems, especialista da G Data.

“É muito importante que o sistema operacional e outros programas instalados no PC ou aparelho móvel estejam sempre com a última versão liberada pelo fabricante. As atualizações automáticas são recomendáveis porque o usuário se envolve com outras tarefas e raramente se lembra de fazer isso. Por sua vez, os criminosos cibernéticos são especialistas em criar novas armadilhas e possuem todo o tempo do mundo para suas práticas contra os usuários e suas ações são facilitadas pela sujeira e desatualização dos equipamentos”, comenta Eddy Willems.

As dicas do especialista da G Data

Apagar o seu rastro digital: o usuário deve eliminar os cookies e seu histórico de navegação relacionadas ao uso de arquivos de Internet. Os navegadores da Web oferecem em “configurações” a opção de realizar a exclusão automaticamente;

Apagar as contas de usuários desatualizadas: as contas que não se usa mais é melhor serem apagadas. Por exemplo, contas de usuário em serviços antigos, tais como viagens, lazer, informação profissional, em lojas online, sites de leilão ou dados bancários associados;

Privacidade de suas redes sociais: o usuário deve separar um tempo para rever as suas opções de privacidade nas redes sociais. Da mesma forma, ele deve verificar a lista de contatos que foram adicionados, às vezes de forma indiscriminada, e eliminar aqueles que não são usados ou são difíceis de identificar;

Atualização constante:  software antigo e obsoleto é porta de entrada para vírus de computador e as atualizações devem ser automáticas. A dica vale para quaisquer aplicações, sistema operacional, navegadores e também para o software antivírus. Migrar para as versões atuais é o correto. As violações de segurança ocorrem na maioria das vezes em sistemas desatualizados;

Faxina geral programada: arquivos inúteis e duplicados podem ser presa fácil para os códigos maliciosos. Manter os dispositivos livres de lixo contribui para a segurança digital. Para esta tarefa é necessária uma ferramenta específica, que sabe identificar arquivos corrompidos, registro de sistemas. Esvaziar a lixeira também é uma necessidade, assim como a caixa de SPAM do correio eletrônico.

O perigo das senhas fracas: o usuário nunca salve as senhas no navegador. A dica é desativar este recurso e, alternativamente, usar um gerenciador de senhas. Além disso, deve-se usar senhas fortes combinadas com números, caracteres especiais e números. Nunca usar a mesma senha em mais de um serviço web;

Backup todo dia: os ataques de ransomware já deixaram claro que as informações armazenadas no computador podem confiscadas e perdidas para sempre. Por isso, é vital fazer cópias de segurança de todos os documentos, fotos e vídeos e também de qualquer outra informação valiosa. Caso seja vítima de um ataque de ransomware o usuário nunca deve pagar o resgate porque não há qualquer garantia que os arquivos serão devolvidos. Já existem ferramentas capazes de quebrar a criptografia de vários sequestradores de arquivos;

Apps só a partir de fontes oficiais: o usuário deve apenas baixar aplicativos móveis de fontes seguras e oficiais como Google Play e Apple Play ou do fabricante do seu aparelho móvel. Antes de instalar é necessário avaliar as permissões de acesso a aplicações antes da instalação;

Instalar uma solução de segurança abrangente:  é essencial ter um software antivírus que possua todas as ferramentas de proteção do PC ou aparelho móvel e de todos os apps, serviços de e-mail, navegação na Web e acesso a serviços bancários e compras online. Existem soluções que incluem ferramentas de otimização e sistema de registo que ajudam a alcançar uma operação mais estável e eficiente.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest