86% das redes acusam disrupção após home office global

Paulo Brito
30/04/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Pesquisa de Março do grupo de líderes Neustar mostra que houve problemas de graves a moderados nas redes de dois terços dos participantes, mas no total 86% dos entrevistrados relataram algum tipo de problema causado pelo home office global

O Conselho Internacional de Segurança da Neustar, grupo de líderes em segurança cibernética de grandes empresas, publicou a pesquisa sobre estabilidade de redes de Março de 2020 e constatou grande quantidade de problemas. Praticamente dois terços (64%) dos participantes relataram problemas de moderados (41%) a graves (23%). Mas no total houve problemas nas redes de 86% dos entrevistrados, com 22% indicando a ocorrência de problemas considerados pequenos. A conectividade VPN também trouxe desafios. Apenas 22% das VPNs corporativas suportaram a mudança para o trabalho remoto “perfeitamente”, sem problemas, descobriram os pesquisadores. Mais de 60% viu “pequenos problemas de conectividade”, mas disse que as VPNs se saíram bem no geral, enquanto 14% disseram que os resultados foram irregulares e apenas 3% disseram que os principais problemas de VPN ocorreram em meio à transição para o trabalho remoto.

A pesquisa de março ouviu 303 profissionais que ocupam altos cargos de TI e segurança em suas organizações, com o objetivo de aferir o estado atual da segurança cibernética nos Estados Unidos, Europa, Oriente Médio e Ásia. Março mostrou um índice de benchmark cibernético de 33,1, “mantendo a tendência ascendente e um aumento mais significativo do que o típico”, dizem os pesquisadores em seu relatório. O índice de janeiro de 2020 era 29,8, em novembro de 2019 era 28,2 e em setembro de 2019 era 26,9. Os resultados indicam uma tendência crescente de aumento do risco e respostas acima da média nos últimos 17 meses.

Percepção das ameaças de ataque aumentou

A ameaça de ataque aumentou em todos os setores e vindo de todos os vetores – cerca de 10% ou mais, diz Michael Kaczmarek, vice-presidente de produtos dos negócios de segurança da Neustar. Dada a mudança na forma pela qual as empresas precisam fazer negócios agora, como um aumento no trabalho remoto e falta de recursos para apoiá-lo, a percepção de uma ameaça de ataque se tornou muito maior.

Veja isso
Trabalho remoto e VPNs: como garantir sua segurança
Segurança do home office desafia 95% dos profissionais de cyber

Os dados mostram que a maioria das empresas estava preparada para um incidente como a pandemia de coronavírus: quase três quartos (71%) possuíam um plano de negócios para proteger suas redes em caso de um grande evento não planejado ou prolongado. Menos de 30% foram pegos desprevenidos pelo COVID-19. Ainda assim, a preparação não significa que as coisas correm bem, especialmente se as organizações não souberem exatamente o que querem. A pandemia redefiniu o modo pelo qual as empresas abordam a continuidade dos negócios, explica Kaczmarek.

No entanto, ele observa que os recursos de muitas empresas já estavam escassos e suas equipes tinham de priorizar o que era importante para o trabalho com outras pessoas na sede da empresa. Agora, as ameaças aos negócios direcionadas a esses recursos podem estar menos visíveis, porque nem todos os monitores estão disponíveis remotamente, dificultando ainda mais o trabalho em conjunto e a proteção.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest