banner senha segura
senhasegura

76% das empresas já utilizam dois provedores de nuvem

As organizações continuam a adotar a nuvem de forma acelerada para atender aos principais objetivos de negócios
Da Redação
29/06/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Pouco a pouco as empresas estão migrando suas cargas de trabalho de ambientes on-premises para uma nuvem, duas nuvens ou uma combinação híbrida de nuvens públicas, privadas e ambiente on-premises. A pesquisa 2021 Cloud Security Report, publicada ontem pela Fortinet, mostra essa tendência com bastante clareza, afirmando que em 18 meses 56% das organizações estarão executando mais da metade de suas cargas de trabalho na nuvem. E que 76% das empresas já utilizam no mínimo dois provedores de nuvem.

Frederico Tostes, country manager da Fortinet Brasil 2020
Frederico Tostes, general
manager da Fortinet Brasil

Isso não significa que o ambiente on-premises tenha desaparecido: o modelo híbrido ainda é responsável por mais de um terço das implantações. “O que isso significa é que as organizações agora operam em um cenário digital diversificado e expandido e que, diante do cenário de ameaças em expansão, a segurança continua sendo uma grande preocupação com relação à nuvem”, explica Frederico Tostes, gerente Geral da Fortinet Brasil e VP de Cloud para a América Latina.

A pesquisa foi feita pela comunidade on-line Cybersecurity Insiders, que em abril de 2021 entrevistou 572 profissionais de segurança cibernética no mundo inteiro, para obter uma visão profunda das últimas tendências, principais desafios e soluções para segurança em nuvem. Os entrevistados variam de executivos técnicos a gerentes e profissionais de segurança de TI.

Veja isso
Como migrar SAP para a nuvem com segurança
Deloitte compra CloudQuest e amplia segurança de nuvem

As organizações continuam a adotar a nuvem de forma acelerada para atender aos principais objetivos de negócios, informa o estudo. Ele indica que 33% das organizações já executam mais da metade de suas cargas de trabalho na nuvem. Entre os benefícios atingidos pela migração estão o tempo de chegada mais rápido de produtos e serviços ao mercado (53%), maior capacidade de resposta (51%) e redução de custos (41%).

Já as principais barreiras para uma adoção mais rápida da nuvem seriam a falta de visibilidade (53%), falta de controle (46%), falta de equipe capacitada (39%) e alto custo (35%).

A multicloud, seja como estratégia escolhida ou simplesmente a direção que as organizações acabam tomando, é a norma e 76% das empresas já estão utilizando dois ou mais provedores. Os principais objetivos apontados são a integração de vários serviços, a escalabilidade e a continuidade dos negócios.

Praticamente todos os entrevistados indicaram que possuem preocupações quanto à segurança das nuvens públicas. A configuração incorreta da segurança na nuvem continua sendo o maior risco na opinião dos entrevistados (com 67%), seguido pela exfiltração de dados confidenciais (59%) e pelos acessos não autorizados e interfaces/APIs inseguras (49%).

Os ambientes multicloud adicionam ainda mais complexidade e desafios de segurança de acordo com a pesquisa, sendo que as principais preocupações estão na proteção de dados (58%), na falta de habilidades de segurança (57%) e na falta de entendimento de como diferentes soluções se encaixam (52%).

Nesse sentido, 78% dos entrevistados​ achariam muito útil ou extremamente útil possuir uma única plataforma de segurança em nuvem, com visibilidade centralizada em um painel, permitindo a configuração de políticas para proteger os dados de forma consistente e ampla em todo o ambiente de cloud.

“As empresas precisam ter claro que, para atingir suas metas de negócios com a nuvem, a segurança é um capacitador essencial. Possuir soluções nativas e integradas garantem a visibilidade, proteção, controle e políticas consistentes em todo ambiente de multicloud híbrido”, diz Tostes. “Essa estrutura não apenas oferece uma postura de segurança uniforme, mas também simplifica a gestão, o acesso a relatórios de conformidade e o compartilhamento de dados.”

Com informações da as

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Inscrição na lista CISO Advisor

* campo obrigatório