Abyss Risco Abismo

75% dos CEOs serão responsabilizados pelos incidentes de segurança

Gartner prevê que os incidentes aumentarão muito devido à falta de foco na segurança e de gastos na proteção de ativos
Da Redação
02/09/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Por volta de 2024, as consequências dos incidentes de segurança, sejam eles físicos ou cibernéticos, vão cair nas costas de 75% dos CEOS, calcula Katell Thielemann, vice-presidente de pesquisa do Gartner. Segundo comunicado publicado ontem pela consultoria, relacionado ao relatório “Previsões para 2020: Programas de gerenciamento de segurança e risco”, a natureza dos sistemas ciberfísicos (CPSs) implica que os incidentes podem levar rapidamente danos físicos a pessoas, destruição de propriedade ou desastres ambientais. Pior ainda, os analistas do Gartner prevêem que os incidentes aumentarão rapidamente nos próximos anos, devido à falta de foco na segurança e de gastos alinhados a esse tema.

O Gartner define CPSs como sistemas projetados para orquestrar sensoriamento, computação, controle, rede e análise para interagir com o mundo físico (incluindo humanos). Eles sustentam todos os esforços de TI conectada, tecnologia operacional (OT) e Internet das Coisas (IoT), onde as considerações de segurança abrangem os mundos cibernético e físico, como ativos intensivos, infraestrutura crítica e ambientes de saúde clínica informa a consultoria.

Veja isso
Cresce compartilhamento de responsabilidade nas empresas
Um roteiro para pequenas e médias empresas cumprirem a LGPD

Com a evolução da OT, edifícios inteligentes, cidades inteligentes, carros conectados e veículos autônomos, os incidentes no mundo digital terão um efeito muito maior no mundo físico, afirma o Gartner, pois agora existem riscos, ameaças e vulnerabilidades em um espectro ciberfísico bidirecional. No entanto, muitas empresas não estão cientes dos CPSs já implantados em suas organizações, seja devido a sistemas legados conectados a redes corporativas por equipes fora de TI ou por causa de novos esforços de automação e modernização voltados para os negócios.

“Reguladores e governos reagirão prontamente a um aumento de incidentes graves resultantes da falha em proteger os CPSs, aumentando drasticamente as regras e regulamentos que os regem”, disse Thielemann. “Nos EUA, o FBI, a NSA e a Agência de Segurança Cibernética e de Infraestrutura (CISA) já aumentaram a frequência e os detalhes fornecidos sobre ameaças a sistemas relacionados à infraestrutura crítica, a maioria dos quais de propriedade do setor privado. Em breve, os CEOs não serão capazes de alegar ignorância ou recuar nas apólices de seguro”.

O Gartner prevê que o impacto financeiro dos ataques CPS, resultando em vítimas fatais, chegará a mais de US $ 50 bilhões até 2023. Mesmo sem agregar o valor real de uma vida humana na equação, os custos para as organizações em termos de compensação, litígio, seguro, multas regulatórias e a perda de reputação será significativa. “Os líderes de tecnologia precisam ajudar os CEOs a compreender os riscos que os CPSs representam e a necessidade de dedicar foco e orçamento para protegê-los”, disse Thielemann. “Quanto mais CPSs conectados, maior a probabilidade de ocorrência de um incidente.”

Com agências internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest