security-1202344_1280.png

64% dos americanos desconfiam da proteção de seus dados

Além disso, 51% dos consumidores nos EUA temem que seus dados sejam vendidos, indica pesquisa
Da Redação
12/09/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Hoje, um número cada vez maior de empresas necessita coletar e tratar dados de clientes para melhorar as vendas online, mas a forma como boa parte delas protege esses dados não tem despertado confiança dos consumidores.

Relatório recente relatório da KPMG, denominado “Responsabilidade de dados corporativos: Preenchendo a lacuna de confiança do consumidor”, quantifica o quão ampla é a falta de confiança hoje e os fatores estão causando sua aceleração. Com 86% dos clientes pesquisados ​​dizendo que a privacidade dos dados é uma preocupação e 68% dizendo que o nível de coleta de dados das empresas é preocupante, acabar com o gap de confiança crescente não será fácil, segundo a consultoria. 

A pesquisa se baseia em entrevistas com 2 mil consumidores nos Estados Unidos e 250 profissionais de nível de diretoria de segurança e privacidade de dados.

Enquanto a maioria dos líderes de segurança e privacidade de dados (62%) disse que suas organizações deveriam fazer mais para fortalecer as medidas de proteção de dados existentes, um em cada três (33%) diz que os clientes deveriam se preocupar com a forma como as empresas usam seus dados.

Além disso, os líderes de segurança e privacidade de dados não têm certeza de quão confiáveis ​​são suas próprias empresas quando se trata de lidar com dados de clientes. A prova disso é que um terço (29%) afirma que sua empresa às vezes usa métodos antiéticos de coleta de dados e 13% não confiam que ela use os dados de forma ética. Em suma, a lacuna de confiança cibernética é grande, com as perspectivas futuras das empresas amplamente dependentes da solidez de sua segurança de dados.

Governança de dados não está funcionando

Abordagens de cima para baixo para governança e gerenciamento de dados não estão fechando a lacuna com rapidez suficiente. A KPMG conclui que 83% dos clientes não desejam compartilhar seus dados para ajudar as empresas a criar produtos e serviços melhores. E um terço (30%) não está disposto a compartilhar dados pessoais por nenhum motivo. Essa falta de confiança continua a acelerar, apesar de muitas empresas implementarem estruturas de governança de dados em toda a empresa.

A tendência dos clientes contra as solicitações de dados ocorre quando 70% dos líderes em segurança e privacidade dizem que suas empresas estão aumentando os esforços para coletar dados dos clientes, de acordo com Orson Lucas, líder de serviços de privacidade da KPMG nos EUA.

Veja isso
Zero trust ganha status de prioridade 1 em segurança
Como zero trust pode ajudar os hospitais

“O fracasso em eliminar essa divisão pode representar um risco real de perda de acesso a dados e percepções valiosas que impulsionam o crescimento dos negócios”, disse Lucas. “Claramente, as iniciativas de governança e gerenciamento de dados precisam priorizar o cliente desde o início de um projeto para que os grandes investimentos que as empresas fazem nessas áreas tenham retorno.”

Confiança zero

O objetivo, segundo a KPMG, é que a proteção a privacidade seja adaptável o suficiente para conceder a cada cliente acesso a todo o seu cadastro. Três em cada quatro clientes (76%) desejam maior transparência em termos de como seus dados pessoais estão sendo gerenciados e para que estão sendo usados, mas apenas 53% das empresas estão fornecendo isso hoje.

De acordo com a consultoria, para fechar a lacuna de confiança de dados, as empresas precisam fazer a divulgação completa, fornecer uma visão completa dos dados do cliente e explicar como eles estão usando. A melhor maneira de fazer isso é implementar o modelo de segurança zero trust no nível do cliente para proteger endpoints de acesso, identidades e outros vetores de ameaças.”

Ainda de acordo com o relatório, ao escolher priorizar o modelo de segurança zero trust, as empresas podem progredir no fechamento da lacuna de confiança dos clientes e, ao mesmo tempo, obter maior transparência. Escolher o modelo de segurança zero trust como estrutura para proteger os dados responde às preocupações dos clientes que dizem que as empresas não estão fazendo o suficiente para proteger seus dados. Os clientes não estão satisfeitos, pois 64% dizem que as empresas não estão fazendo o suficiente para proteger seus dados, enquanto 47% estão muito preocupados que seus dados sejam comprometidos em um hacking e 51% temem que seus dados sejam vendidos.

A pesquisa da KPMG descobriu que 88% dos clientes desejam que as empresas assumam a liderança no estabelecimento da responsabilidade corporativa pelos dados e compartilhem mais detalhes sobre como protegem os dados. Abordar questões de confiança cibernética se resume a fornecer maior transparência, e as empresas precisam se concentrar no modelo de segurança zero trust e nas vantagens inerentes ao acesso aos dados do cliente.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest