40 clientes IBM usarão cibersegurança do Watson

Paulo Brito
12/12/2016
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest
Um estudo recente da IBM mostra que quase 60% dos profissionais de segurança acreditam que as tecnologias cognitivas serão fundamentais na luta contra o cibercrime. Para estar à frente desse mercado e dar à indústria chances de se proteger contra os possíveis criminosos, o time da Unidade deSegurança da companhia anuncia hoje a sua plataforma Beta do Watson para CyberSecurity.

 
Ao todo, 40 organizações testarão as habilidades do sistema Watson contra o cibercrime. Dentre as companhias, estãoSun Life Financial, Universidade Médica de Rochester, Corporação SCANA, Grupo Financeiro Sumitomo Mitsui, Universidade Politécnica da Califórnia, Universidade de New Brunswick, Avnet e Smarttech. Ao disponibilizar o sistema beta a esses clientes, a IBM espera continuar aprimorando o conhecimento do Watson sobre segurança cibernética e sua integração nas operações de segurança do dia a dia das corporações.
 
Esses clientes estão aproveitando o Watson em seus ambientes de segurança para obterem ainda mais inteligência de dados contra os ataques de cibercriminosos. Dentre as diversas funcionalidades que o uso da plataforma cognitiva da IBM traz aos negócios, estão:
 
• Determinar se um ataque de segurança atual está ou não associado a uma campanha conhecida de malware ou cibercrime. Em caso afirmativo, o Watson fornece informações sobre o malware utilizado, as vulnerabilidades exploradas e o escopo da ameaça, entre outros insights.
 
• Melhor identificação de comportamentos suspeitos. O Watson fornece contexto adicional à atividade do usuário e vai muito além da avaliação de comportamentos suspeitos, fornecendo uma melhor orientação para que a empresa possa entender se uma atividade foi ou não maliciosa.
 
De acordo com o líder da Unidade de Segurança da IBM Brasil, Guilherme Araújo, é necessário cada vez mais atenção e diversas indústrias já perceberam a necessidade de se aplicar mais inteligência em ambientes de segurança para lidar com ataques e ameaças cibernéticos. “O Watson para CyberSecurity utiliza tecnologias da terceira era da computação (a computação cognitiva), como capacidade de aprendizagem, entendimento da linguagem natural e geração de hipóteses, para ajudar os analistas de segurança a tomar melhores e mais rápidas decisões a partir da análise de grandes quantidades de dados não estruturados”, esclarece.
 
À medida que o desenvolvimento do Watson para Cybersecurity continua, a IBM trabalha para incluir capacidades analíticas e cognitivas mais avançadas em outras áreas do seu portfólio de segurança como, por exemplo, aplicar tecnologias que analisam padrões de comportamento e alertam o centro de operações da empresa caso algo saia do padrão. Esta funcionalidade foi recentemente agregada ao Qradar (UBA – User Behavior Analytics), sem custo adicional aos clientes, que analisa comportamento das aplicações conforme a utilização dos usuários. Isso, integrado a toda inteligência cognitiva, torna-se uma arma poderosa contra os cibercriminosos.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest