banner senha segura
senhasegura
phishing

25% dos casos de phishing ocorrem no contexto profissional

Pesquisa da Avast mostra que um quarto dos casos ocorre quando as pessoas estão numa situação de trabalho
Da Redação
12/11/2020
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Uma pesquisa da Avast sobre os ataques de phishing revela que 39% dos brasileiros se depararam com uma tentativa desse golpe, 29% foram vítimas e 28% não têm certeza se caíram no golpe ou não. Dos entrevistados que caíram, 76% foram vítimas em contextos pessoais e 24% em um contexto profissional.

“Hoje, os criminosos podem atingir as pessoas com ataques de phishing, por meio de vários canais diferentes, sendo fundamental que as pessoas estejam cientes sobre eles e sobre os atuais golpes que estão circulando. De janeiro a setembro de 2020, a Avast protegeu uma média de 3.700 de 100.000 brasileiros, mensalmente, contra os ataques de phishing”, diz André Munhoz, Country Manager para o Brasil da Avast.

Dois terços dos brasileiros que foram vítimas de phishing não relataram o golpe. Os motivos para não denunciar os golpes incluem não saber para quem (41%), não ter associado o golpe a um problema (23%), falta de crédito nas providências pós relato (18%) e por acharem que a informação coletada no incidente não tem valor (15%).

Veja isso
Certificado SSL já está em 80% dos sites de phishing
Phishing é um problema de dimensões ainda desconhecidas

Entre os brasileiros que foram vítimas de phishing, quase um quarto (24%) disseram ter de alterar sua senha; 15% tiveram de cancelar seu cartão de pagamentos; 9% afirmaram que seus dados pessoais foram roubados; e 8% que seu dinheiro foi roubado.

Dos que sofreram perdas financeiras, 24% perderam até  R$ 259,00;  8% entre R$ 260,00  e  R$ 529,00;  13% entre  R$ 530,00 a R$ 1.059,00;  13% entre R$ 1.060,00  a R$ 1.589,00; e 46% mais que R$ 1.590,00.

“A engenharia social é usada para realizar phishing, induzindo as pessoas a realizar certas ações. Os cibercriminosos usam a engenharia social para tirar proveito do comportamento humano, pois é mais fácil enganar uma pessoa do que invadir um sistema. Eles fazem isso brincando com as emoções das pessoas, usando o medo, aplicando pressão sobre a vítima com um senso de urgência, entusiasmo ou alegando que precisam de caridade”, comenta Munhoz.

A maioria dos golpes de phishing não são relatados

Entre as vítimas de phishing que relataram o golpe, aproximadamente metade (47%) informou a polícia; 31% relataram ao provedor de e-mail; 27% ao provedor do sistema operacional; 17% ao provedor de antivírus; e 13% ao provedor de telecomunicações.

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Inscrição na lista CISO Advisor

* campo obrigatório