american-express-g5dbc7c7ca_640.jpg

227 mil cartões de brasileiros estão à venda na dark web

Brasil está entre os países mais vulneráveis, sendo que os cartões de crédito roubados de brasileiros são vendidos a um preço médio de US$ 7 no mercado ilegal
Da Redação
11/01/2022
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Um total de 227 mil cartões de crédito de brasileiros foram encontrados à venda na dark web por pesquisadores de segurança da NordVPN, empresa especializada em serviços de VPN com segurança. A empresa analisou 4 milhões de cartões de crédito que estavam à venda na dark web, pertencentes a cidadãos de 140 países. O preço médio para compra dos cartões é de US$ 9,70, mas os dos brasileiros saem por US$ 6,54.  

No ranking, o país mais afetado foi os Estados Unidos, com mais de 1,5 milhão de cartões, seguido da Austrália, com quase 420 mil. Apesar de o maior número de cartões encontrados à venda seja desses dois países, isso não significa que sejam os mais vulneráveis. De acordo com a pesquisa, a vulnerabilidade depende de fatores como a proporção de cartões não reembolsáveis, a população do país e o número de cartões em circulação.  

Pesquisadores da NordVPN compararam os dados dos cartões entre os países com as estatísticas populacionais das Nações Unidas e o número de cartões em circulação das bandeiras Visa, Mastercard e American Express para calcular o índice de risco e comparar mais diretamente a probabilidade de o cartão estar disponível na dark web por país.

Veja isso
Vazamento de registros de cartões roubados expõe dados de brasileiros
VISA alerta para roubo de cartões com utilização de web shells

Em relação aos brasileiros, a maioria (mais de 137 mil) dos cartões são da bandeira Mastercard, Visa (mais de 79 mil) e Elo (pouco mais de 6 mil). O índice de risco brasileiro foi estimado em 0,39. O país mais vulnerável foi Hong Kong, com um risco máximo possível de 1. O segundo mais vulnerável foi a Austrália, com 0,85, seguida da Nova Zelândia, com uma pontuação de 0,8. A menor pontuação de vulnerabilidade foi de 0, e apenas a um país foi atribuído esse valor — os Países Baixos. 

“Desde 2014, temos visto um crescimento constante na fraude de cartões de pagamento ao redor do mundo. Decidimos verificar quanto custa um cartão de pagamento na dark web e por que há uma explosão na comercialização no mercado ilegal”, diz Marijus Briedis, CTO da NordVPN. “E a resposta é que os hackers podem ganhar facilmente muito dinheiro com isso. Mesmo que um cartão custe apenas US$ 10 em média, um hacker consegue lucrar US$ 40 milhões ao vender uma única base de dados, como aquela que analisamos.”  

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

ATENÇÃO: INCLUA [email protected] NOS CONTATOS DE EMAIL

(para a newsletter não cair no SPAM)