12 presos, suspeitos do ransomware em 1.800 empresas

Prisões foram feitas na Suíça e Ucrânia. Suspeitos podem ser responsáveis pelo ataque à Norsk Hydro em 2019
Da Redação
29/10/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

Um total de 12 pessoas suspeitas de participar de organizações de crimes cibeernéticos foram detidas numa operação judicial e de aplicação da lei envolvendo oito países. A Europol acredita que esses ataques tenham afetado mais de 1.800 vítimas em 71 países. Esses atores cibernéticos são conhecidos por visar especificamente a grandes corporações, paralisando efetivamente seus negócios.

Veja isso
Europol anuncia desarticulação final da botnet Emotet
França e Ucrânia prendem membros do Egregor ransomware

Os ataques envolveram várias famílias de ransomware, incluindo LockerGoga, MegaCortex e Dharma, bem como malware Trickbot e ferramentas de pós-exploração, como Cobalt Strike. O grupo que operava o LockerGoga apareceu em janeiro de 2019, após ataques à empresa francesa Altran Technologies e ao produtor de alumínio norueguês Norsk Hydro. De acordo com as estimativas dos especialistas, o dano causado na produtora de alumínio ficou perto de US$ 35 milhões.

As ações ocorreram na madrugada de 26 de outubro na Ucrânia e na Suíça. A maioria dos suspeitos é considerada alvo de alto valor porque estão sendo investigados em vários casos de alto perfil, em diferentes jurisdições. Como resultado da ação, mais de US$ 52.000 em dinheiro foram apreendidos, além de cinco veículos de luxo. Vários dispositivos eletrônicos estão sendo examinados judicialmente para garantir evidências e identificar novas pistas de investigação.

Com informações da assessoria de imprensa

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

ATENÇÃO: INCLUA [email protected] NOS CONTATOS DE EMAIL

(para a newsletter não cair no SPAM)