106 presos na Itália e Espanha por fraudes digitais

Golpe rendeu a criminosos na Espanha e na Itália cerca de 10 milhões de euros em apenas um ano
Da Redação
20/09/2021
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest

A Polícia Nacional Espanhola (Policía Nacional), apoiada pela Polícia Nacional Italiana (Polizia di Stato), Europol e Eurojust, desmantelou um grupo de crime organizado ligado à Máfia italiana envolvido em fraude online, lavagem de dinheiro, tráfico de drogas e crime contra o patrimônio. Os suspeitos fraudaram centenas de vítimas por meio de ataques de phishing e outros tipos de fraude online, como troca de SIM e comprometimento de e-mail comercial, antes de lavar o dinheiro por meio de uma ampla rede de mulas de dinheiro e empresas de fachada. Só no ano passado, o lucro ilegal é estimado em cerca de € 10 milhões.

Essa grande rede criminosa estava muito bem organizada em uma estrutura piramidal, que incluía diferentes áreas especializadas e funções. Entre os membros do grupo criminoso estavam especialistas em TI, que criaram os domínios de phishing e executaram a fraude cibernética; recrutadores e organizadores da gestão de dinheiro; e especialistas em lavagem de dinheiro, incluindo especialistas em criptomoedas. A maioria dos membros suspeitos é formada por cidadãos italianos, alguns dos quais têm ligações com organizações mafiosas. Localizados em Tenerife (Ilhas Canárias, Espanha), os suspeitos enganaram suas vítimas, principalmente cidadãos italianos, para que enviassem grandes somas para contas bancárias controladas pela rede. Em seguida, lavaram o produto do crime por meio de uma ampla rede de mulas de dinheiro e empresas de fachada.

Veja isso
Hackers levam US$ 97 mi de bolsa de criptomoeda japonesa
US$ 600 milhões no maior roubo de criptomoedas

A Europol facilitou o intercâmbio de informações, a coordenação operacional e prestou apoio analítico à investigação, que durou mais de um ano. Durante as atividades operacionais, a Europol destacou dois analistas e um perito forense para Tenerife, na Espanha, e um analista para a Itália. Além disso, financiou o envio de três investigadores italianos a Tenerife para apoiar as autoridades espanholas durante o dia da ação. A Joint Cybercrime Action Taskforce (J-CAT) da Europol apoiou a operação. Essa equipe operacional permanente consiste em funcionários de ligação cibernética de diferentes países que trabalham no mesmo escritório em investigações de crimes cibernéticos de alto nível. Entre as ações constam:

  • 106 prisões, principalmente na Espanha e algumas na Itália
  • 16 buscas domiciliares
  • 118 contas bancárias congeladas
  • As apreensões incluem muitos dispositivos eletrônicos, 224 cartões de crédito, cartões SIM e terminais de pontos de venda, uma plantação de maconha e equipamentos para seu cultivo e distribuição.

Com agências de notícias internacionais

Compartilhar:

Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no pinterest