Segurança ou propaganda?

Por  * Marisa Viana, gerente-comercial da TrustSign

Participamos na última sexta feira do Congresso Operações e Negócios do eCommerce Brasil. Sempre depois de um evento onde temos contato com uma diversidade enorme de empresas, cada um com seu tamanho e dificuldades, duas perguntas sempre prevalecem: o que é segurança pra um e-commerce ou um website e como saber qual serviço escolher?

Para responder essa pergunta é preciso dar um passo atrás. Em geral, certificados digitais, sistemas antifraude e até mesmo sistemas que avaliam vulnerabilidades são colocados num mesmo pacote. Mas nem de longe podem ser comparados. Um certificado digital, por exemplo, não dá 100% de segurança ao website. Ele apenas garante a autenticidade e criptografia das informações trocadas. Um sistema antifraude, por exemplo, não dá segurança ao website. Ele apenas minimiza os riscos e garante que o lojista não tenha uma venda efetivada como fraude. Um sistema de análise de vulnerabilidades, por exemplo, não dá segurança ao website, ele apenas indica os pontos vulneráveis para que sejam corrigidos, para que com isso, o website esteja menos suscetível a ataques. Dessa forma o site se torna mais seguro.

Por onde então começar? Pelo começo. Garantir a segurança básica dos dados dos usuários, além de obrigatório para operar com vendas por cartão de crédito, é o primeiro passo para garantir a integridade das informações dos clientes e atestar que o site é verdadeiro. Esse é o papel do certificado digital, representado por um cadeado. Existem vários outros sistemas complementares que podem ajudar a tornar o ambiente ainda mais seguro e funcionam como níveis de segurança. Além dos certificados digitais, podemos destacar aqui os sistemas de análise de vulnerabilidades e o Web Application Firewall.

O consumidor final nisso tudo está onde? Muitas vezes vendo apenas um selo de segurança no rodapé. Selos de segurança são importantes e aumentam as vendas, mas de nada adianta se a segurança não é efetiva por trás da propaganda. Isso por que uma fraude pode colocar a empresa em uma situação irreversível de dano à marca e imagem. Além disso, várias empresas estão trabalhando na conscientização dos consumidores e cada vez mais um investimento em segurança efetiva será um diferencial para que o consumidor escolha onde e com quem deixar seus dados.

Existe um ditado que diz “propaganda é a alma do negócio”. Bom, nós dizemos que além de pessoas boas no que fazem e que fazem com muita paixão o seu trabalho, a segurança e a credibilidade são a alma do negócio. E isso não está à venda em qualquer lugar.

Sobre a autora:
Marisa Viana, gerente-comercial da TrustSign, é formada pela Universidade Mackenzie em Propaganda e Marketing e tem mais de doze anos de experiência na área comercial, sendo sete deles exclusivamente em Certificação Digital e Segurança da Informação para ambientes web.