Pesquisa aponta riscos do uso da internet por crianças

A pesquisa da fundação do (ISC)² revela que os pais precisam de ajuda para monitorar de perto as atividades on-line de seus filhos e para alertá-los sobre novas ameaças
Criancanainternet1-aEm parceria com o (ISC)² e com a consultoria Booz Allen Hamilton, o Center for Cyber Safety and Education apresenta os resultados de um estudo realizado nos Estados Unidos sobre o comportamento on-line de crianças. A análise compara o autorrelato de adolescentes entre as 4ª e 8ª séries com a declaração dos pais quanto às condutas observadas, e orienta a atualização do conteúdo do programa Safe and Secure Online®, que oferece aos profissionais de segurança da informação um caminho de retribuição às suas comunidades.
“Embora os pais estejam ensinando seus filhos sobre segurança na Internet, nossos estudos revelam que eles não estão sempre vigilantes. Percebemos nos relatos dos adolescentes que muitos têm experiências interrompidas ou severamente impactadas, além de identidades roubadas, como resultado do comportamento on-line de risco. Com crianças acessando a Internet em vários tipos de dispositivos, os pais precisam de ajuda para monitorar de perto suas atividades on-line e alertá-las sobre novas ameaças”, diz Patrick Craven, diretor do Center for Cyber Safety and Education e pai.
Os resultados do estudo realizado pelo instituto mostram que as crianças passam mais tempo on-line durante a semana do que seus pais percebem. Apesar de receberem instruções sobre o uso seguro da Internet, elas visitam sites que sua família não aprovaria e se envolvem com estranhos on-line e off-line com mais frequência do que seus pais sabem.
Alguns dados obtidos pela pesquisa:
• 40% das crianças pesquisadas disseram que se conectam ou conversam on-line com estranhos.
• 21% levaram o relacionamento adiante e conversaram com um desconhecido ao telefone.
• 15% tentaram se encontrar com o primeiro estranho que elas conheceram on-line.
• 11% se encontraram com um desconhecido em sua casa, na casa do estranho, em parques, shoppings ou restaurantes – muitas vezes acompanhadas por um amigo.
• 30% relataram mandar mensagens de seus telefones para um estranho.
• 25% passaram seus números de telefone para um desconhecido.
• 6% revelaram seus endereços.
• 53% das crianças que participaram da pesquisa acessam a Internet a semana toda por razões que não têm relação com lições de casa.
• 49% permaneceram on-line depois das 23h ou mais tarde em dias de aulas.
A pesquisa também revela que usar a Internet tarde da noite, durante a semana, impacta na educação escolar, com 37% das crianças relatando que se sentiam cansadas no colégio com frequência, 10% chegavam atrasadas e 5% faltavam porque ficaram on-line até muito tarde.
“Só agora estamos começando a entender o impacto de ser uma sociedade digital e conectada. Precisamos proteger as gerações mais jovens usuárias da Internet. A educação e conscientização sobre o comportamento seguro na Internet é uma obrigação para as famílias conectadas”, afirma Angela Messer, Vice-Presidente Executiva da Booz Allen Hamilton, empresa patrocinadora do estudo.
“Somos gratos à Booz Allen Hamilton, uma parceira valiosa ao longo dos anos, por apoiar essa importante iniciativa para aumentar a conscientização dos pais quanto aos tipos de atividades de risco nas quais suas crianças estão envolvidas on-line. Tais descobertas só reforçam a necessidade de programas educacionais como o Safe and Secure Online® para ajudar pais a desempenhar um papel ativo na prevenção de riscos”, afirma David Shearer, CEO do (ISC)² e do Center for Cyber Safety and Education.
Como fundação sem fins lucrativos do (ISC)², o Center for Cyber Safety and Education é autoridade mundial em educação em segurança na Internet, que oferece, desde 2011, o programa Safe and Secure Online®. O projeto gratuito pioneiro ensina crianças, pais, professores e idosos ao redor do mundo sobre como manter a segurança on-line. Baseados nas novas descobertas do estudo, membros especialistas certificados em segurança do (ISC)² recentemente atualizaram o currículo para oferecer aos pais mais conhecimento e ferramentas para que eles possam garantir que suas crianças fiquem protegidas em todas as facetas do espaço virtual. O programa gratuito de educação pode ser acessado em inglês no site www.SafeAndSecureOnline.org.
Compartilhe
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin