busca twitter linkedin facebook fale anuncie blogs eventos categorias home headlines instagram home apex chemicals

Brasil é lanterninha em criptografia

A criptografia é um modo relevante de proteger dados. Em muitos países, as empresas já têm estratégias amadurecidas de criptografia, mas as brasileiras ainda parecem muito longe dessa situação: num ranking de 12 países, o Brasil aparece em 9o lugar. A informação está na pesquisa Global Encryption Trends Study, patrocinada pela Thales e feita pelo Instituto Ponemon, publicada em Abril. Agora, a Thales publica detalhes da parte brasileira, com o título de “Estudo Sobre as Tendências em Criptografia – Brasil”. Foram entrevistas com 507 executivos brasileiros (e cerca de 5 mil na pesquisa geral; executivos da Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, Austrália, Brasil, França, Alemanha, Índia, Japão, México, Federação Russa, Reino Unido, Estados Unidos e, pela primeira vez, Coreia do Sul).

Clique para ampliar

Pelos dados da pesquisa, 35% das empresas entrevistadas têm um plano ou uma estratégia geral de criptografia que é usada consistentemente. Para 43% delas existe um plano ou uma estratégia de criptografia mas isso é limitado, ou seja, o plano ou estratégia são usados para certos aplicativos ou tipos de dados. E 22% não têm estratégia nenhuma (veja o gráfico).

Clique para ampliar

Com relação ao tipo de dado criptografado, cresceu a preocupação com os dados financeiros e com os dados relacionados a pagamentos. Em compensação, caiu o número de respostas afirmativas para criptografia dos dados de recursos humanos, negócios não-financeiros, saúde e informações sobre os clientes. Em outras palavras, a criptografia está focada principalmente em finanças.

Clique para ampliar

Outra informação importante está na lista de motivações para que a empresa invista em criptografia. De acordo com 43 por
cento dos entrevistados, erros feitos por funcionários constituem as maiores ameaças à exposição de dados confidenciais
ou sensíveis (Nota do Editor: consideramos que a expressão “erros” inclui o receio de que algum funcionário não-autorizado tenha acesso aos dados). Mais: 33% por cento dos entrevistados acreditam que o governo faça espionagem e 30% acreditam que
ataques internos maliciosos constituem a maior ameaça para dados confidenciais ou sensíveis.

O relatório completo pode ser baixado em

https://pt.thalesesecurity.com/2018/global-encryption-trends-brazil

 

 

 

 

 

Ciso_logo_75porcento